Quase 20 milhões de pessoas a mais sofreram com crises alimentares em 2020

Segundo relatório da Rede Global Contra Crises Alimentares, duas de três pessoas afetadas em 2020 pertencem ao continente africano

Redação
Compartilhe esta publicação:
Carla Carniel/Reuters
Carla Carniel/Reuters

Segundo relatório da Rede Global Contra Crises Alimentares, duas de três pessoas afetadas em 2020 pertencem ao continente africano

Acessibilidade


Quase 20 milhões de pessoas a mais sofreram com crises alimentares no ano passado em meio a conflitos armados, a pandemia de Covid-19 e eventos climáticos extremos, e a perspectiva para este ano também é desoladora, de acordo com um relatório da Rede Global Contra Crises Alimentares.

A agência humanitária, criada em 2016 pela União Europeia e pela Organização das Nações Unidas (ONU), também alertou que a insegurança alimentar aguda continua a piorar desde 2017, o primeiro ano de seu relatório anual sobre crises alimentares.

UE começa reavaliação de regras para técnica de edição genética de safras

“Precisamos fazer tudo que pudermos para encerrar este ciclo vicioso. Não existe lugar para a falta de alimento e a inanição no século 21”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres.

Ele acrescentou que conflitos e fome precisam ser combatidos conjuntamente, já que reforçam um ao outro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Definida como qualquer falta de alimento que ameace vidas, formas de sustento ou ambas, a insegurança alimentar aguda em níveis críticos impactou ao menos 155 milhões de pessoas no ano passado, o maior número visto nos cinco anos de existência do relatório.

O documento alertou que neste ano não se espera uma melhora da situação, atiçada primeira e principalmente por conflitos, mas que as medidas de contenção relacionadas à pandemia de Covid-19 são um fator de exacerbamento.

Duas de três pessoas afetadas por crises alimentares em 2020 são da África, embora outras partes do mundo não tenham sido poupadas – Iêmen, Afeganistão, Síria e Haiti estão entre os 10 locais mais afetados. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: