Ipea revisa para cima previsão de PIB do agro em 2021, mas alerta para crise hídrica

Bruno Domingos/Reuters
Bruno Domingos/Reuters

O Instituto aponta para um crescimento de 2,6% no PIB do agro

O Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) revisou hoje (23) para cima a projeção do PIB do setor agropecuário para 2021, apontando um crescimento de 2,6%, mas alertou em relatório que a crise hídrica pode afetar o desempenho do setor agrícola nacional.

“No que se refere à produção vegetal, a ocorrência de choques climáticos adversos no Centro-Sul, e a possibilidade de adoção de medidas restritivas ao uso da água para a lavoura – em função da necessidade de poupar o recurso para a geração de energia hidrelétrica – pode afetar negativamente as estimativas para alguns produtos”, disse o boletim de conjuntura do Ipea.

LEIA TAMBÉM: Datagro vê exportação de soja do Brasil em 90,5 milhões de toneladas em 2022, alta de 3,4%

Não ficou imediatamente claro se a questão hídrica terá impacto para o PIB de 2021, assim como as culturas eventualmente afetadas.

A previsão anterior do Ipea (de março) indicava um crescimento de 2,2% do setor do agronegócio neste ano.

O Ipea prevê para 2021 um avanço de 2,7% no valor adicionado da produção vegetal e 2,5% na produção animal.

Na produção vegetal, as culturas de destaque são soja (alta na produção de 9,4%), arroz (2,8%) e trigo (27,9%).

Na produção animal, o Ipea espera um crescimento generalizado na produção: bovinos (0,9%), suínos (6,8%), aves (6,5%), leite (3,2%) e ovos (2,3%).

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).