A de Agro nasce com previsão de liberar R$ 1,8 bilhão em crédito em 1 ano

A agfintech foi criada com o objetivo de facilitar a tomada de empréstimos, com menos burocracia no setor.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Juan Medina/Reuters
Juan Medina/Reuters

A agfintech “A de Agro” quer diminuir a burocracia dos empréstimos do agronegócio brasileiro

Acessibilidade


O mercado do agronegócio do Brasil recebeu hoje (8) o anúncio da criação da agfintech A de Agro, que possui parceria com o banco de investimentos BTG Pactual e pretende disponibilizar R$ 1,8 bilhão em créditos a produtores rurais ao longo do próximo ano.

Segundo a companhia, seu objetivo é facilitar a tomada de empréstimos com menos burocracia no setor. Em comunicado, a agfintech chamou atenção para os 450 mil agricultores que formam o mercado de crédito agrícola para pequenos e médios produtores.

LEIA MAIS: “Se houver recurso de subvenção, o agricultor vai ser estimulado a contratar mais o seguro rural”, diz diretor da FenSeg

“Nascemos para levar crédito ao campo, conectando vários players do mercado financeiro ao produtor. Vamos diminuir a burocracia do financiamento e melhorar a precificação”, disse o CEO da A de Agro, Rafael Coelho.

“Avaliamos o que realmente importa, a lavoura daquele produtor e não as médias regionais”, acrescentou o executivo, afirmando que a análise dessas informações resulta na criação de uma taxa mais atrativa para o produtor, embora cifras específicas para as operações não tenham sido divulgadas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A A de Agro destacou que possui uma pontuação de crédito baseada em oito fatores: escala da área, produtividade relativa, homogeneidade da lavoura, balanço de área dos últimos anos, relevância da cultura na região, experiência do produtor, clima e receita potencial estimada.

Parte desses dados, ainda de acordo com a agfintech, é analisada a partir de imagens de satélite e serviços de inteligência artificial.

Além disso, a companhia também promete monitorar as áreas tomadoras de crédito, com o objetivo de mitigar os riscos durante o plantio da safra e “não ter surpresas”.

“O financiador sabe antes o que o mercado demora alguns dias para tomar conhecimento”, disse Coelho.

LEIA MAIS: Movimento “Sou de Algodão” cai no gosto dos estilistas

Além do apoio do BTG Pactual, a A de Agro também carrega o histórico da empresa de tecnologia do agronegócio Agronow, que fornece serviços de monitoramento de safras. Na nova companhia, a agtech vai se tornar a “A de Agro Labs”, mantendo sua análise de propriedades rurais e de culturas como cana-de-açúcar, milho e soja. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: