Baixa histórica no rio Paraná obriga Argentina a reduzir 25% das cargas agrícolas em navios

Agustin Marcarian/Reuters
Agustin Marcarian/Reuters

A hidrovia é o meio de exportação de 80% dos grãos produzidos no país; área se encontra no menor nível dos últimos 77 anos

Navios graneleiros que partem do polo agroportuário argentino de Rosário estão tendo que deixar os terminais com 25% de carga a menos que o normal, devido a baixa histórica do rio Paraná, que não se espera que melhore nos próximos meses, afirmou hoje (23) a CAPyM (Câmara de Portos Privados e Comerciais).

O Paraná é a hidrovia por onde saem para o mundo 80% das exportações de grãos e produtos da indústria agrícola da Argentina, um importante fornecedor de alimentos mundial.

LEIA MAIS: Argentina diz que produtores venderam 23 milhões de toneladas de soja de 2020/21

Entretanto, devido à prolongada escassez de água na bacia do Paraná, no sul do Brasil, o rio atualmente se encontra em seu menor nível dos últimos 77 anos.

“Atualmente os navios estão carregando cerca de 25% menos do que normalmente carregam, quando o rio está em níveis normais”, disse à Reuters Guillermo Wade, gerente do CAPyM.

“Se a situação não melhorar, e não há nada que sugira que melhore, estaremos perdendo 40% do que os navios costumam transportar quando os níveis da água estão normais”, acrescentou. (Com Reuters)


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).