Bayer informa provisão extra de US$ 4,5 bilhões para litígio da Roundup

A nova provisão veio após juiz dos EUA rejeitar o plano da companhia de tentar limitar os custos de uma ação coletiva futura sobre as alegações de que o Roundup causa câncer.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Rick Wilking/Reuters
Rick Wilking/Reuters

O valor será acrescido aos US$ 11,6 bilhões que estavam previstos para futuros acordos e litígios

Acessibilidade


A Bayer disse hoje (29) que iria realizar uma provisão adicional de US$ 4,5 bilhões relacionados a litígio que alega que seu herbicida Roundup pode causar câncer.

A Bayer fez o anúncio em uma atualização aos investidores sobre como planeja lidar com o processo relacionado ao Roundup, que a tem perseguido desde que ela adquiriu a marca como parte de sua compra de US$ 63 bilhões de da Monsanto em 2018.

LEIA MAIS: Exclusivo: Orbia, joint venture da Bayer e Bravium, faz duplo movimento de expansão para entrar na casa do bilhão

A nova provisão veio após juiz dos EUA rejeitar em maio o plano da Bayer de tentar limitar os custos de uma ação coletiva futura sobre as alegações de que o Roundup causa câncer.

Milhares de usuários alegaram que o Roundup causou seu linfoma não Hodgkin, mas a Bayer afirmou que décadas de estudos mostraram que o Roundup, e seu principal ingrediente glifosato, são seguros para uso humano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Bayer disse que entraria com uma petição em agosto na Suprema Corte dos Estados Unidos, buscando uma revisão de uma decisão de um tribunal de primeira instância a favor do usuário do Roundup Edwin Hardeman.

O valor será acrescido aos US$ 11,6 bilhões que estavam previstos para futuros acordos e litígios. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: