Colheita de milho 2ª safra atinge 39% da área no centro-sul com avanço em Mato Grosso

Marcelo Rodrigues Teixeira/Reuters
Marcelo Rodrigues Teixeira/Reuters

Plantação de milho

A colheita de milho segunda safra 2020/21 alcançou 39% da área no centro-sul do Brasil, avanço de nove pontos percentuais puxado pelos trabalhos de campo em Mato Grosso, informou a consultoria AgRural hoje (26).

O desempenho, no entanto, segue atrasado em relação aos 53% vistos em igual período do ano anterior, de acordo com os dados.

LEIA MAIS: Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A AgRural disse que o ritmo dos trabalhos seguiu acelerado em Mato Grosso e evoluiu bem em São Paulo, Goiás e Minas Gerais.

No Paraná e em Mato Grosso do Sul, por outro lado, pancadas esparsas de chuva no fim de semana anterior e o frio intenso no começo da semana dificultaram a perda de umidade do cereal já pronto. Por isso, a colheita continuou lenta nos dois Estados.

“As novas geadas registradas na segunda (19) e na terça-feira (20) não chegaram a causar estragos significativos como as de três semanas antes”, ressaltou a consultoria em nota.

A expectativa dos analistas da AgRural é de que os problemas de qualidade que começam a ser reportados no Paraná e em Mato Grosso do Sul se agravem conforme a colheita for avançando sobre as áreas que estavam em enchimento de grãos no fim de junho, quando ocorreram as primeiras geadas.

“Problemas de qualidade causados pelo frio também são esperados em pontos de Goiás, São Paulo e Minas Gerais.” (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).