OIC eleva superávit global de café em 2020/21, mas indica aperto em 2021/22

Alta na estimativa vem principalmente da expectativa de redução no consumo, que será superado pelas exportações

Redação
Compartilhe esta publicação:
Wanderson Araujo/CNA
Wanderson Araujo/CNA

A Organização Internacional do Café espera uma diminuição de compra, que deve ser superada pelas exportações

Acessibilidade


A OIC (Organização Internacional do Café) aumentou sua previsão de superávit global de café para 2020/21 (outubro/setembro) em seu relatório mensal de junho, mas indicou que a produção provavelmente cairá abaixo da demanda mundial na próxima temporada.

A OIC elevou sua estimativa de superávit para 2020/21 de 2,01 milhões de sacas em maio para 2,30 milhões de sacas em junho, principalmente devido a uma projeção de redução no consumo.

LEIA MAIS: Brasil já colheu quase metade da safra de café, diz consultoria

O consumo agora é estimado em 167,20 milhões de sacas nesta temporada, ante as 167,58 milhões de sacas anteriores e abaixo das 168,5 milhões vistos antes da pandemia.

A OIC espera que a produção de muitos países, principalmente do Brasil, caia na próxima temporada, e vê o consumo crescendo à medida que as restrições à pandemia são atenuadas e as economias se recuperam.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A OIC não forneceu um número para o saldo projetado na próxima temporada.

As exportações globais de café totalizaram 9,8 milhões de sacas de 60 kg em maio de 2021, queda de 10,1% no comparativo anual, disse a OIC, mas as exportações agregadas nos primeiros oito meses da temporada aumentaram para 87,3 milhões de sacas, ante 85,4 milhões no mesmo período do ano anterior. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: