Ritmo de exportação de milho despenca 75% até 3ª semana de julho

A média diária de exportações de milho do Brasil alcançou 43,66 mil toneladas até a terceira semana do mês.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Edwin Remsberg/Getty Images
Edwin Remsberg/Getty Images

O embarque de milho acumulado neste mês atingiu 523,9 mil toneladas

Acessibilidade


A média diária de exportações de milho do Brasil alcançou 43,66 mil toneladas até a terceira semana do mês, uma expressiva queda de 74,77% ante as 173 mil toneladas ao dia enviadas ao exterior em julho do ano passado, mostraram dados de hoje (19) do governo federal.

Pressionado pela quebra na segunda safra 2020/21 do cereal e atraso na colheita, o embarque de milho acumulado neste mês atingiu 523,9 mil toneladas. No ano passado, quase 4 milhões de toneladas foram exportadas no total de julho, segundo a Secex (Secretaria de Comércio Exterior).

LEIA TAMBÉM: Clima derruba em 18% a 2ª safra de milho no Brasil, diz Geosys

Dados divulgados hoje pela consultoria AgRural mostraram que a colheita de milho da safrinha do centro-sul -principal região produtora – atingiu 30% das áreas até o último dia 15, forte atraso ante os 43% registrados em igual período da temporada passada.

A AgRural disse em nota que o atraso ocorre em função do plantio tardio e das temperaturas mais amenas, inclusive com uma nova onda de frio no radar dos produtores nesta semana. A safra do cereal, além de geadas, já foi impactada pela estiagem no país.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ainda de acordo com a Secex, a média diária de embarques de soja chegou a 462,5 mil toneladas até a terceira semana de julho ante 432,8 mil ao dia no mesmo mês completo de 2020. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: