Safra americana e dólar alavancam preço da soja no Brasil

Área menor de plantio naquele país, abaixo da estimativa de mercado, valoriza a oleaginosa brasileira no mercado global da commodity.

Redação
Compartilhe esta publicação:
 Wenderson Araujo_Trilux/CNA
Wenderson Araujo_Trilux/CNA

Soja brasileira ganha espaço à medida que norte-americanos plantam menos do que o mercado previa

Acessibilidade


Os preços da soja voltaram a subir com certa força no Brasil e no mercado externo. Segundo pesquisadores do Cepea/USP (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), os valores foram impulsionados por dados do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) indicando área plantada nos Estados Unidos e estoques abaixo do esperado por agentes.

A valorização do dólar frente ao Real também influenciou o movimento de recuperação no Brasil. De 25 de junho a 2 de julho, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa/Paranaguá subiu fortes 10,44%, a R$ 164,28 a saca de 60 kg na sexta-feira (2), e recuperando, portanto, parte das perdas observadas em junho. Vale lembrar que, no dia 25 de junho, esse Indicador fechou a R$ 148,74, o menor patamar nominal desde dezembro/20. O dólar, que continua na casa de R$ 5, ajuda o produtores a manter a rentabilidade em real. Uma moeda mais forte costuma ser boa notícia para o produtor brasileiro da commodity.

LEIA TAMBÉM: Movimento “Sou de Algodão” cai no gosto dos estilistas

Na semana passada, o USDA divulgou que a área plantada com a leguminosa no país era estável, na comparação com a intenção de plantio. Foi uma surpresa, porque os dados de plantio ficaram abaixo do esperado pelo mercado. Para completar o cenário, os estoques trimestrais também ficaram abaixo das estimativas. Nesta safra, os produtores norte-americanos devem plantar 87,6 milhões de acres (35,45 milhões de hectares), área 5% acima do total cultivado no ano passado. Mas, se confirmado, ficará abaixo do que o mercado previa, que era de 89,15 milhões de acres (36,07 milhões de hectares). Os dados da última semana de junho repetem o que já havia sido publicado em março, no boletim anterior do USDA.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: