StoneX corta projeção para milho 2ª safra do Brasil a 60,45 mihões de toneladas após geadas

De acordo com previsões meteorológicas da Rural Clima, o cereal será a cultura mais afetada esta semana

Redação
Compartilhe esta publicação:
Marcelo Rodrigues Teixeira/Reuters
Marcelo Rodrigues Teixeira/Reuters

Com isso, a expectativa para a produção total do milho no país também caiu de 89,68 milhões de toneladas para 87,93 milhões de toneladas

Acessibilidade


As geadas que recentemente atingiram os Estados de Mato Grosso do Sul e Paraná levaram a consultoria StoneX a reduzir hoje (01) sua projeção para a segunda safra de milho 2020/21 do Brasil a 60,45 milhões de toneladas, ante 62 milhões estimados no mês anterior.

Com isso, a expectativa para a produção total do cereal no país — que já havia sido afetada pela seca — também caiu de 89,68 milhões de toneladas para 87,93 milhões de toneladas, conforme levantamento.

LEIA TAMBÉM: China desacelera a compra de carne bovina brasileira. Será que acabou o namoro?

No ano passado, o Brasil produziu, ao todo, 102,5 milhões de toneladas de milho.

“Por ter ocorrido recentemente, ainda não é possível ter uma percepção exata dos reais impactos da geada e, portanto, novos ajustes não podem ser descartados”, disse em nota o analista de mercado da StoneX João Pedro Lopes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Após problemas climáticos, as safras de milho do Paraná e de Mato Grosso do Sul, dois dos principais Estados produtores do cereal no país, ficaram em 6,74 milhões de toneladas e 6,68 milhões, respectivamente.

Em relação à projeção de junho, a consultoria baixou em 880 mil toneladas a projeção para os paranaenses e viu 684 mil toneladas a menos para Mato Grosso do Sul.

De acordo com previsões meteorológicas da Rural Clima divulgadas hoje (01), o milho possivelmente será a cultura mais afetada por geadas no país ao longo desta semana. Anteriormente, o cereal viu parte de seu potencial perdido por um plantio tardio e diversos episódios de seca.

Neste cenário, a StoneX trouxe um novo corte para o número de exportação, de 1 milhão de toneladas, estimada agora em 20 milhões.

“Por outro lado, a demanda doméstica segue forte, ainda estimada em 71,5 milhões de toneladas, destacando que as importações ainda podem crescer em relação à estimativa atual de 2,5 milhões de toneladas.”

Ainda de acordo com a consultoria, os estoques finais de milho devem ficar em 9,54 milhões de toneladas, com uma relação estoque/uso de 10,4%. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: