América Latina cria comitê para monitorar a crise da Peste Suína Africana

O trabalho será coordenado por 22 associações de 18 países, incluindo o Brasil que detém um importante rebanho e grandes exportações de carne

Redação
Compartilhe esta publicação:
Embrapa
Embrapa

Organização dos países pode impedir que PSA se espalhe e dizime rebanhos inteiros

Acessibilidade


A ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) e outras 21 organizações nacionais de 18 países da América Latina realizaram ontem (9), de forma virtual, a instalação de um comitê continental para debater estratégias regionais de prevenção à PSA ( Peste Suína Africana).

O Comité de Crisis PPA LatAm (Peste Porcina Africana, em espanhol) realizou um levantamento de ações regionais e estabeleceu um trabalho em colaboração para o fortalecimento da defesa sanitária no continente, no âmbito privado.

LEIA TAMBÉM: Conheça a fazendeira Beatriz Biagi Becker e seus fantásticos cavalos terapêuticos

Uma das iniciativas foi o estabelecimento de uma campanha interpaíses de conscientização das comunidades e intra setoriais sobre a importância dos cuidados preventivos nas diversas esferas. Denominada #TodosContraLaPPA, a campanha será lançada em breve com ações junto aos produtores, sociedade e líderes governamentais das diversas esferas das nações envolvidas.

A ação ocorre após casos da doença enfrentados pela República Dominicana, que recentemente registrou focos da enfermidade nos diversos plantéis da ilha. Doença é uma ameaça porque pode dizimar rebanhos inteiros, como tem ocorrido em países asiáticos, em especial na China.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“A ação reforça o trabalho que já está em curso no Brasil, em uma articulação ampla para evitar que a situação alcance a parte continental das Américas”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA. “Empregos e a garantia de fornecimento de alimentos estão em jogo, em um momento em que a oferta de alimentos é estratégica para as nações. Unificando esforços, seremos mais efetivos para monitorar problemas e riscos, e contribuir para rápidas soluções bilaterais ou em bloco.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: