Após geadas, produtores pedem a liberação de R$ 1,3 bilhão do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira

CNC havia adiantado uma proposta de R$ 1 bilhão em financiamentos do Funcafé

Redação
Compartilhe esta publicação:
Roosevelt Cassio/Reuters
Roosevelt Cassio/Reuters

Cafezal afetado por geadas em Varginha (MG)

Acessibilidade


O comitê técnico do Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC) aprovou na última sexta-feira (6) a destinação de uma reserva de R$ 1,3 bilhão em recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) para auxílio a produtores afetados pelas geadas recentes no Brasil.

O movimento é um passo inicial para que a medida seja adotada, uma vez que a proposta do comitê técnico ainda seguirá para análise do CDPC e, se aprovada, para subsquente votação do Conselho Monetário Nacional (CMN), que se reunirá no próximo dia 26.

LEIA TAMBÉM: Receita de exportação de carne suína do Brasil sobe 21% em julho com repasse de custos

O presidente do Conselho Nacional do Café (CNC), Silas Brasileiro, havia adiantado na última terça-feira (3), após reunião com representantes dos ministérios da Agricultura e Economia, que uma proposta de R$ 1 bilhão em financiamentos do Funcafé deveria ser encaminhada pelo setor ao CMN.

De acordo com nota publicada na última sexta-feira (6) pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a ideia central da proposta é criar uma linha de financiamento para os cafeicultores atingidos, embora condições, prazos, taxas, carência e o período de reembolso ainda precisem ser definidos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Utilizar os recursos do Funcafé para essa finalidade é uma forma de garantir a sustentabilidade de toda a cadeia produtiva”, disse o presidente da Comissão Nacional do Café da CNA, Breno Mesquita.

Para ele, o recurso surge em momento providencial e atende a uma demanda imediata do setor.

Em nota à parte, também divulgada nesta sexta, o Ministério da Agricultura afirmou que, se aprovada, a disponibilização desse valor para os agentes financeiros será feita após a efetiva avaliação das perdas ocorridas pela geada nas regiões de produção, cujo levantamento está sendo conduzido pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

VEJA MAIS: Com mais milionários no mundo, mercado de luxo cresce na pandemia

“A estimativa é que no próximo mês de setembro já tenhamos um quadro real da situação”, disse o diretor de Departamento de Comercialização e Abastecimento da pasta, Silvio Farnese.

Estimativas preliminares divulgadas pela Conab após as fortes geadas do último dia 20 de julho indicaram que o fenômeno pode ter atingido até 200 mil hectares cultivados com café arábica, ou 11% do total da área destinada à variedade no país. (Com Reuters)

 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: