Aprosoja critica Cade por aprovar plataforma de royalties de sementes transgênicas

A joint venture é formada pelas rivais Bayer, Corteva e Syngenta.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

A joint venture afirmou que a proposta é estimular a competição entre os desenvolvedores de biotecnologia e aumentar a competitividade do setor agrícola brasileiro

Acessibilidade


A Aprosoja Brasil (Associação Brasileira dos Produtores de Soja), que representa cerca de 240 mil agricultores, criticou hoje (10) a decisão do Cade de aprovar uma joint venture formada pelas rivais Bayer, Corteva e Syngenta que vai funcionar como uma plataforma da arrecadação de royalties.

A joint venture foi aprovada pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) incondicionalmente na semana passada.

LEIA MAIS: Anec eleva previsão de exportação de soja e milho do Brasil em agosto

A associação questionou o fato do Cade ter ignorado suas inquietações sobre o negócio, e afirmou que a aprovação da joint venture perpetua um sistema de cobrança de royalties contestado há muito pelos produtores brasileiros.

A Cultive Biotec, como é conhecida a joint venture, disse que a plataforma vai disponibilizar mais biotecnologias da soja no Brasil.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A joint venture afirmou ainda que o negócio inclui as empresas mencionadas no comunicado da Aprosoja, bem como a BASF, acrescentando que a proposta é estimular a competição entre os desenvolvedores de biotecnologia e aumentar a competitividade do setor agrícola brasileiro, que terá mais biotecnologias de sementes para escolher.

O Cade disse que busca manter a concorrência, garantindo a diversidade e a qualidade dos produtos e serviços oferecidos aos consumidores.

A declaração de hoje feita pela Aprosoja ressalta as tensões entre os produtores da oleaginosa e as empresas de biotecnologia que operam no Brasil, maior produtor e exportador mundial do grão e de outras commodities agrícolas como café e açúcar.

A partir de 2009, os produtores de soja começaram a recorrer à Justiça para contestar o sistema de pagamento de royalties no mercado brasileiro, onde a Aprosoja afirma que os produtores pagam mais pelo uso da tecnologia em relação aos seus pares de países vizinhos.

A Aprosoja disse que a Bayer detém o monopólio virtual do mercado de sementes soja geneticamente modificada no Brasil, acrescentando que agora ela está “franqueando o seu sistema de cobranças de royalties a todas as suas potenciais e futuras concorrentes”.

Procurada, a Bayer não quis comentar.

A Bayer agora enfrenta concorrência direta da Corteva Agriscience, que começará a vender sua própria semente de soja geneticamente modificada no Brasil. Em cinco anos, a Corteva espera que um terço da área de soja do Brasil seja cultivada com seu produto. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: