Contra mudança climática governadores no Brasil pedem ajuda aos EUA

Governadores de sete Estados brasileiros solicitaram verbas para projetos ambientais de combate às mudanças climáticas.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Bruno Kelly/Reuters
Bruno Kelly/Reuters

Fumaça de incêndio na Floresta Amazônica perto de Porto Velho

Acessibilidade


Governadores de sete Estados brasileiros se reuniram com o enviado especial dos Estados Unidos para o clima, John Kerry, na última sexta-feira (30), na primeira de uma série de reuniões com potências estrangeiras, sem a presença do governo federal, para solicitar verbas para projetos ambientais com o intuito de combater as mudanças climáticas.

O governo do presidente Jair Bolsonaro enfraqueceu a fiscalização ambiental e incentivou o desenvolvimento econômico em áreas de preservação, contribuindo para um aumento de desmatamento e de incêndios florestais na Amazônia e em outros biomas considerados cruciais para conter o aquecimento global.

LEIA TAMBÉM: Acusações de fraude contra o fundador da Nikola Motor podem ameaçar Elon Musk e seus tuítes

Os sete chefes de executivos estaduais da aliança Governadores pelo Clima apresentaram uma lista de projetos a Kerry em uma reunião virtual, de acordo com declarações dos governadores após o encontro.

A reunião acontece depois que 23 governadores do país enviaram uma carta ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em abril, sinalizando um desejo em cooperar em iniciativas sustentáveis ​​diante da “emergência climática “.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os projetos podem ser classificados em um período entre 2 e 6 anos e podem gerar mais de 150 mil empregos verdes, embora o total de investimentos necessário ainda seja preciso ser determinado, segundo afirmou o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, em nota. Os projetos são espalhados pelo território brasileiro, e não apenas restritos à região amazônica.

O governador do Maranhão, Flávio Dino, que representa os Estados amazônicos na reunião, disse à “Reuters” que solicitou apoio para o Plano de Recuperação Verde (PRV) da região, anunciado neste mês. O plano busca conter o desmatamento e promover o desenvolvimento sustentável.

“Claro que o papel dos Estados aumenta à medida que o governo federal não exerce o seu papel”, disse Dino. “O Brasil ficar nessa posição de supostamente vilão ambiental ou um território amigável para crimes ambientais não é bom para ninguém”.

O Palácio do Planalto não respondeu imediatamente a um pedido por comentários sobre o assunto.

VEJA MAIS: Preços do café recuam quase 9% com geadas no Brasil aparentemente menos intensas do que o esperado

Dino disse que Kerry foi amigável durante uma reunião, mesmo ao expressar preocupações sobre o aumento contínuo do desmatamento em 2021 na Amazônia.

Um representante de Kerry não respondeu a um pedido por comentários.

Casagrande disse em uma transmissão online após o encontro com Kerry que os governadores iriam agora fazer reuniões de níveis técnicos com a equipe de Kerry sobre possíveis colaborações.

A coalizão Governadores pelo Clima também quer se reunir com representantes da China, União Europeia e de outras associações internacionais, de acordo com o governo capixaba. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: