CTNBio não avalia pedido sobre liberação de farinha de trigo transgênico

Pascal Rossignol/Reuters
Pascal Rossignol/Reuters

A indústria nacional tinha a expectativa de que o assunto estivesse na pauta desta reunião, depois do tema ser excluído no encontro anterior

A CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança) deixou novamente fora da pauta de discussões um pedido de liberação comercial para uso de farinha de trigo geneticamente modificado no Brasil, informou o órgão após reunião realizada hoje (5).

“O processo não foi debatido nessa reunião, estamos aguardando resposta da empresa solicitante à diligência feita pela CTNBio”, disse em videoconferência o presidente da comissão, Paulo Barroso.

LEIA MAIS: Seca no Canadá e EUA faz safra global de trigo 2020/21 encolher

A indústria nacional de trigo tinha a expectativa de que o assunto estivesse na pauta desta reunião, depois de ter sido excluído no encontro anterior da CTNBio, realizado em junho, também por pedido de informações à TMG (Tropical Melhoramento & Genético), que protocolou o pedido no Brasil.

Na hipótese de aprovação, a farinha feita de trigo transgênico seria importada da Argentina, fato que gerou preocupação para os moinhos, por possível efeito negativo para o consumo.

“Não há nenhum país no mundo que tenha trigo transgênico, o Brasil seria o primeiro. Não existe nenhuma pesquisa sobre como os consumidores vão reagir a este tipo de produto”, disse o presidente executivo da Abitrigo (Associação Brasileira da Indústria do Trigo), Rubens Barbosa.

Ele disse que a entidade está preparada para contestar uma eventual aprovação da CTNBio e, neste caso, deve solicitar junto a outros membros do setor que o tema seja analisado pelo Conselho Nacional de Biossegurança, composto por ministros, para que o governo se pronuncie sobre a conveniência da medida.

O governo da Argentina aprovou a comercialização da variedade transgênica de trigo HB4 da empresa de biotecnologia Bioceres, embora tenha destacado que o produto só poderá ser negociado depois de autorizada a importação pelo Brasil, conforme publicação no Diário Oficial argentino em outubro do ano passado. Reportagem da Reuters antecipou a medida na véspera da publicação.

Na época, a Abitrigo já havia informado que pediria ao governo brasileiro a não liberação da entrada do produto geneticamente modificado no país.

VEJA TAMBÉM: Brasil ajusta regra sobre transgênicos para garantir importação de grãos dos EUA

Um executivo da Bunge chegou a confirmar que os moinhos do Brasil são contrários à importação do produto, uma vez que ele é destinado à alimentação humana e o grão geneticamente modificado ainda enfrenta restrições para uso direto pelos consumidores, segundo reportagem publicada pela Reuters em novembro.

Nesta quinta-feira, o presidente da Abitrigo lembrou que grãos como soja e milho transgênicos têm aprovação para uso comercial, mas a finalidade é a alimentação animal.

“A farinha não, é só para consumo humano e vamos ver qual seria a reação do consumidor”, completou.(Com Reuters)


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).