Estoques de café verde nos EUA avançam para máxima desde outubro de 2020

O volume atingiu 6,07 milhões de sacas de 60Kg ao final de julho, maior desde as 6,13 milhões reportadas em outubro

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Jose Roberto Gomes
REUTERS/Jose Roberto Gomes

O volume atingiu 6,07 milhões de sacas de 60Kg ao final de julho, maior desde as 6,13 milhões reportadas em outubro

Acessibilidade


Os estoques de café verde nos portos dos Estados Unidos avançaram em quase 300 mil sacas entre o final de junho e o final de julho, volume acima da marca de 6 milhões de sacas pela primeira vez desde outubro, mostraram dados da GCA (Associação de Café Verde, na sigla em inglês) ontem (16).

Os estoques de café verde dos EUA, o maior consumidor de café do mundo, atingiram 6,07 milhões de sacas de 60 quilos ao final de julho, maior volume desde as 6,13 milhões de sacas reportadas pelo GCA em outubro do ano passado.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O aumento de 294.885 sacas também foi o maior aumento mensal em estoques desde maio de 2020, quando os Estados Unidos estavam adotando as duras medidas de distanciamento social para lidar com a pandemia do coronavírus, o que incluiu o fechamento de cafeterias.

O GCA normalmente não comenta as razões para mudanças nos dados, o que inclui tanto o café nos armazéns de câmbio da ICE quanto os volumes mantidos por outros participantes do mercado nos portos dos EUA.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os estoques certificados da ICE também estão em alta nos últimos dias, de acordo com a bolsa. O maior aumento em geral nos estoques do café verde dos EUA no último mês foi relatado nos portos de Nova York e São Francisco. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: