Poder de compra de fertilizantes no Brasil piora em julho, aponta Mosaic

Segundo a companhia, o IPCF atingiu 1,20 no mês passado, ante 0,90 em julho de 2020

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Scott Audette
REUTERS/Scott Audette

Segundo a companhia, o IPCF atingiu 1,20 no mês passado, ante 0,90 em julho de 2020

Acessibilidade


O poder de compra de fertilizantes por agricultores do Brasil teve em julho um resultado pior do que o apurado em igual período do ano anterior, em meio a uma forte demanda, restrições de oferta no mercado internacional e recuo nos preços da soja e milho, segundo a Mosaic Fertilizantes ontem (17).

Segundo a companhia, o IPCF (Índice de Poder de Compra de Fertilizantes) atingiu 1,20 no mês passado, ante 0,90 em julho de 2020. Ambos têm 2017 como patamar-base, o que significa que os fertilizantes se mostram mais acessíveis do que no mesmo período daquele ano quando o indicador permanece abaixo de 1,00.

LEIA TAMBÉM: Cacau do sul da Bahia conta com seguro inédito para a produção da fruta

O cálculo do IPCF leva em consideração a relação entre os preços de fertilizantes e as cotações de alguns dos principais produtos agrícolas brasileiros – soja, milho, açúcar, etanol e algodão. “Em julho, houve uma maior estabilidade do câmbio e apreciação dos preços das duas principais commodities do índice – soja e milho”, informou a Mosaic em nota.

“No entanto, o mercado de fertilizantes continua firme em função de uma demanda internacional aquecida e restrições do lado da oferta acentuadas por perdas de produção na América do Norte.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mesmo assim, a empresa acredita que a recuperação econômica global e a firme demanda por alimentos, além dos estoques mais apertados de grãos no mundo, devem seguir dando impulso ao uso de insumos agrícolas, incluindo os fertilizantes, diante de um aumento nas áreas de plantio e no uso de tecnologias.

A companhia também indicou que, mesmo com o vaivém no mercado, a rentabilidade das lavouras no Brasil ainda incentiva investimentos por parte dos produtores.

“Apesar das oscilações, é válido destacar que a rentabilidade das principais lavouras continua positiva, estimulando o investimento em tecnologia. O Brasil deverá colher em 2021/22 mais uma safra recorde de grãos e também deverá embarcar um volume recorde de fertilizantes”, afirmou o vice-presidente Comercial da Mosaic, Eduardo Monteiro. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: