Produtores de café já colheram 84% do ciclo 2021/22, avalia Safras

Tony Oliveira/CNA
Tony Oliveira/CNA

Colheita dos grãos, tanto do arábica como do conilon, está levemente atrasada ante o ciclo passado

A colheita de café da safra brasileira 2021/22 está em 84%, contando até o dia 3 de agosto. O número faz parte do levantamento semanal de Safras & Mercado para a evolução da colheita da safra. Na semana anterior, a colheita estava em 77%.

Tomando por base a estimativa da consultoria para a produção de café do Brasil em 2021/22, de 56,5 milhões de sacas de 60 quilos, é apontado que foram colhidas 47,57 milhões de sacas.

A colheita está no mesmo patamar de igual período do ano passado (84%). Os trabalhos estão levemente atrasados frente à média dos últimos cinco anos, que é de 85%. Segundo o consultor Gil Barabach, o andamento dos trabalhos ganha intensidade, aproveitando o clima mais seco e avançando mais sete pontos percentuais em comparação à última semana.

A colheita de arábica segue mais lenta e alcança apenas 76% da produção, contra 79% em igual época do ano passado e 81% da média histórica para o período. “O perfil segue positivo, com boa qualidade na bebida e sem grandes problemas em relação à granação”, afirma Barabach.

No conilon, aponta o consulttor, os trabalhos se encaminham para o final com 98% da produção já retirados dos pés. “Na maioria das fazendas só falta os cafés de varreção”, diz,. A colheita alcança o mesmo ritmo de igual período do ano passado, ficando ainda ligeiramente abaixo dos 99% de média dos últimos cinco anos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).