Cargill inaugura no Brasil fábrica de subproduto de frutas e se torna a segunda maior produtora global de pectina

A fábrica é a única instalação de pectina da empresa fora da Europa, onde possui três unidades .

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Denis Balibouse
REUTERS/Denis Balibouse

A fábrica é a única instalação de pectina da empresa fora da Europa, onde possui três unidades

Acessibilidade


A unidade brasileira da companhia de commodities norte-americana Cargill concluiu a construção de uma nova fábrica para produzir pectina, um subproduto de frutas utilizado em geleias, bebidas, laticínios e confeitaria, anunciou a empresa hoje (3).

A fábrica é a única instalação de pectina da Cargill fora da Europa, onde possui três unidades do gênero. Com o anúncio, a Cargill se torna a segunda maior produtora mundial do ingrediente alimentício, disse em entrevista o diretor de Amidos e Adoçantes da empresa na América do Sul, Laerte Moraes.

Localizada perto do cinturão citrícola do Brasil – onde a companhia terá casca de laranja como matéria-prima -, a fábrica deve ajudar a reduzir os custos de produção da empresa, já que atualmente duas de suas fábricas na Europa precisam importar cascas de laranja para então processá-las.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Segundo a empresa, a unidade brasileira atenderá principalmente aos mercados de exportação, especialmente clientes da Ásia, e empregará 120 pessoas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O movimento da Cargill reflete uma necessidade de se equilibrar negócios de grande volume com margens mais baixas ao mesmo tempo em que amplia a presença em segmentos de mercado com volumes menores, mas preços mais altos.

Trata-se também de uma resposta à evolução dos clientes industriais e das necessidades dietéticas dos consumidores. A demanda global por pectina, um ingrediente natural que pode ser utilizado na culinária e panificação como agente emulsificante, estabilizador e espessante, deve crescer até 4% ao ano, disse a Cargill.

A empresa, uma das maiores tradings de soja e milho do Brasil, havia anunciado a construção da nova planta em 2018. Embora os trabalhos tenham atrasado ligeiramente em 2020 devido às restrições relacionadas à pandemia de Covid-19, a fábrica começará a operar este mês, disse Moraes.

A nova instalação possui capacidade para produzir cerca de 6 mil toneladas de pectina por ano. Um quilo do produto pode custar de US$ 15 a US$ 20, segundo Moraes. Ele acrescentou que a Cargill investiu R$ 550 milhões na fábrica. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: