Ex-funcionário da Tesla vai produzir em escala tratores autônomos e movidos a bateria em 2022

Fundadores da norte-americana Monarch Tractors, junto com parceiros do porte da Case New Holland, prometem popularizar máquinas inteligentes para uma agricultura cada vez mais digital.

Ed Garsten
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Mark Schwager, co-fundador e presidente da Monarch Tractor, já fez parte das equipes da Tesla, Zoox e Toyota

Acessibilidade


Suportar mau tempo, insetos, doenças ou preços baixos – assim é a vida de um fazendeiro. Mas a combinação da pandemia Covid-19, leis de imigração mais rígidas nos Estados Unidos e incêndios florestais na Califórnia não apenas dificultaram a contratação de tratoristas para trabalhar nas propriedades rurais, como aumentaram seus custos em cerca de 25% no ano passado.

“Agora estamos considerando US$ 30 por hora como base para os operadores de trator e os fazendeiros estão arcando com o peso disso”, disse Mark Schwager, ex-funcionário da Tesla e co-fundador e presidente da Monarch Tractor [empresa de tecnologia agrícola]. “Eles estão nos dizendo que não podem trabalhar com isso e que têm problemas para encontrar mão de obra. E que a qualidade da mão de obra, a segurança e o seguro são problemas em torno de um trabalho muito sujo, perigoso e enfadonho.”

LEIA TAMBÉM: Frísia vai investir R$ 1 bilhão com cartilha ESG na mão

Então, não seria ótimo se os fazendeiros pudessem operar tratores que não precisassem de motoristas e, melhor ainda, funcionassem de maneira mais econômica com bateria? Sim, seria ótimo. É por isso que o Monarch Tractors nasceu. A startup norte-americana com sede em Livermore, Califórnia, desenvolveu um trator autônomo movido a bateria que entrará em produção total no próximo ano.

“É um trator. Não é um robô de fazenda. Engate de três pontos e hidráulica. Nós desenvolvemos o controle da hidráulica por meio de software. Precisávamos ter certeza de que não haveria dificuldades para o fazendeiro”, enfatizou Schwager em uma entrevista durante o The Battery Show, entre os dias 14 e 16 deste mês, em Novi, no subúrbio de Detroit.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

No lado da potência, o trator Monarch usa baterias de NMC811 [composta de 80% de níquel, 10% de manganês e 10% de cobalto], que Schwager diz ser “a química mais densa de energia que você pode comprar”. O alcance varia dependendo da tarefa — cerca de 8 a 10 horas para tarefas básicas do dia a dia, como corte e pulverização, e cerca de cinco horas para trabalhos mais difíceis, como arar ou gradear a terra.

Não há necessidade de dirigir o trator de volta ao celeiro para recarregar. As baterias podem ser trocadas em campo, sem a necessidade de que seja um operador na máquina. Ao contrário do conjunto de sensores usados ​​em veículos de passageiros autônomos, os tratores monarca são guiados apenas por câmeras.

MTractor_Divulgação
MTractor_Divulgação

Trator autônomo e elétrico começa a ser produzido em escala e com apoio de uma grande multinacional do setor

“Propomos um monitoramento sem o Lidar [Light Detection And Ranging, sistema óptico para detectar distância de um objeto] e sem radar, principalmente porque é muito caro e porque algumas das práticas que queremos que os agricultores empreguem são mais sustentáveis, como o cultivo de cobertura”, explicou Schwager. “Em videiras que tem espaçamento entre linhas, basicamente uma cultura de cobertura é algo que cresce nessa entrelinha. Então, um metro de grama no meio da entrelinha e balançando com o vento vai sujar muito se for usado Lidar.” No caso, o trator Monarch não é conhecido como nível 5, ou totalmente autônomo. Alguém está sempre monitorando seus movimentos remotamente. Se algo der errado, o trator envia um alerta.

Nesse caso, dado que o trator se desloca de três a cinco quilômetros por hora, a distância de uma parada para outra é de apenas alguns metros com uma ampla área ao seu redor enquanto está funcionando, Schwager diz que “o fator humano essencialmente vai para zero”. Além disso, a diferença de preço entre o trator elétrico autônomo da Monarch e, digamos, uma unidade John Deere movida a diesel é cerca de 1,5 vezes maior. Mas Schwager afirma que a economia com energia da bateria e mão de obra resultará em um retorno sobre o investimento em menos de dois anos. “Se você incluir o preço do John Deere, menos de seis meses”, acrescenta.

A história de como o Monarch Tractor surgiu é quase tão fascinante quanto o veículo agrícola de alta tecnologia que está produzindo. Schwager trabalhou em empresas como Tesla, Zoox e Toyota. Entre suas realizações, na Tesla atuou como chefe da Gigafactory, liderou a equipe de planejamento de operações e construiu os sistemas de negócios para a fábrica de montagem da montadora elétrica em Fremont, Califórnia. Também liderou o programa de fabricação para a colaboração da Tesla com a Toyota no Rav 4 EV [Recreational Active Vehicle, um jipe compacto].

Ele conheceu Praveen Penmetsa e Zachary Omohundro durante seu tempo no Zoox, que depois se tornaram co-fundadores da Monarch. Vários anos antes, Penmetsa e Omohundro haviam fundado uma pequena empresa, tendo recebido uma concessão para energia da USAID (Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional). Eles tinham construído um trator elétrico pequeno, mas com bateria fraca, e não autônomo.

Nesses anos, eles mantiveram contato. Até que em 2018 o triunvirato percebeu que os sistemas autônomos tinham se tornado eficientes em termos de custo para colocar tratores. Então, o grupo decidiu abrir uma empresa, mas faltava uma peça — um fazendeiro. Schwager lembra de seu bom amigo, o co-fundador da Lyft, John Zimmer, que os apresentou a Carlo Mondavi, famoso produtor de vinho da Califórnia. “Ele também é um agricultor incrivelmente apaixonado por sustentabilidade. É uma estrela do norte no que diz respeito a como a agricultura deve ser ”, disse Schwager.

A empresa já levantou três rodadas de financiamento por meio de capital de risco e outros parceiros estratégicos, incluindo a gigante de equipamentos agrícolas Case New Holland. “Nossa parceria com a CNHi é realmente valiosa e eles vão ajudar em todos os aspectos da industrialização, comercialização e pós-venda. Estamos muito animados com nosso relacionamento”, disse Schwager. Os tratores piloto estão sendo construídos e a carteira de pedidos da Monarch está aberta. A produção em grande escala está planejada para o próximo ano em Livermore.

Depois de suas experiências com diferentes CEOs, Schwager disse que está usando as lições aprendidas para liderar a Monarch Tractor em sua mais recente aventura. “Para mim, uma das coisas que aprendi foi que não deveria ficar excessivamente focado em um aspecto. Porque se você estiver muito focado nas vendas, pode acabar atirando no próprio pé durante a execução. Ou se estiver excessivamente focado no design, pode comprometer a engenharia. Ou ainda, se ficar muito focado no produto, provavelmente será ótimo no front-end, mas o back-end torna-se uma bagunça”, explica.

Na verdade, Schwager e seus parceiros não estão apenas focados em ser bons administradores de sua nova empresa. Ao produzir tratores autônomos com emissão zero, Schwager diz que eles também estão ajudando os agricultores a atingir seu objetivo constante de “ser bons administradores da Terra”.

* Ed Garsten cobre a indústria automobilística desde 1989, primeiro como CNN Detroit Bureau Chief, depois como National Auto Writer para a Associated Press, redator sobre a General Motors no Detroit News e repórter de vídeo do Automotive News. Também formou a equipe de comunicação digital da Fiat Chrysler, pioneira no conceito de “jornalismo corporativo”. 

Compartilhe esta publicação: