Louis Dreyfus vê alta volatilidade em mercado de commodities

A empresa anunciou um forte aumento no lucro do primeiro semestre.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Pascal Rossignol/Reuters
Pascal Rossignol/Reuters

Colheita de trigo em Rumilly, no norte da França

Acessibilidade


Os mercados de commodities enfrentam um período de intensa volatilidade enquanto lutam com os efeitos da pandemia, incerteza sobre a política macroeconômica e problemas na cadeia de suprimentos, disse hoje (21) o presidente-executivo da LDC (Louis Dreyfus Company).

Os preços das commodities agrícolas avançaram acentuadamente, uma tendência que contribuiu para o aumento dos lucros do primeiro semestre reportados pela LDC, mas permanecem bem abaixo dos picos observados há uma década, disse Michael Gelchie.

LEIA TAMBÉM: Commodities valorizadas fazem lucro da Louis Dreyfus disparar no primeiro semestre

“Ao contrário de 2010-2011, provavelmente estamos aguardando um período de elevada volatilidade“, disse Gelchie à Reuters em entrevista por telefone.

Ondas contínuas da Covid-19, congestionamento de navios e pontos de interrogação sobre quando o Federal Reserve dos EUA começará a diminuir o apoio monetário estão alimentando a volatilidade, disse ele.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Ainda não vimos necessariamente uma normalização da cadeia de abastecimento”, afirmou Gelchie.

Um aumento mais amplo nos preços das commodities e da energia também refletiu uma mudança em direção a uma economia de baixo carbono, dado que “a infraestrutura para apoiar isso custa dinheiro”, acrescentou.

A LDC, um dos maiores comerciantes de commodities agrícolas do mundo, anunciou hoje um forte aumento no lucro do primeiro semestre, apoiados por preços mais altos.

Gelchie não quis comentar sobre as perspectivas do grupo para o resto do ano, observando que os preços permaneceram elevados e as margens de esmagamento das oleaginosas fortes.

Os melhores resultados aliviaram ainda mais a pressão financeira sobre a LDC depois que ela concluiu neste mês a venda de uma participação para a holding ADQ, de Abu Dhabi, trazendo o primeiro acionista não familiar na história de 170 anos do grupo de commodities agrícolas.

O acordo com a ADQ, que permitiu à controladora da LDC reembolsar 1 bilhão de dólares emprestado de seu grupo operacional, ajudaria a LDC a acelerar os investimentos, disse Gelchie, sem dar detalhes. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: