OIE dá por encerrada a investigação sobre "mal da vaca louca" no Brasil, mas exportações continuam suspensas

Retorno das vendas ao exterior, principalmente para a China, ainda depende de análise dos técnicos dos países compradores.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Gmnicholas/GettyImages
Gmnicholas/GettyImages

Caso atípico de doença, reconhecido pela OIE, coloca o Brasil novamente no mercado

Acessibilidade


No início da tarde de hoje (6), a OIE (Organização Internacional de Saúde Animal) informou que deu por encerrada as investigações sobre o anúncio feito pelo Brasil da constatação de dois casos de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB, ou BES na sigla em inglês) em animais de abate, doença popularmente conhecida como “mal da vaca louca”.

Os resultados de exames laboratoriais realizados no Brasil e no Canadá deram como casos atípicos na prova e na contraprova. Para a OIE, vale o resultado do Laboratório de Referência da OIE para BSE na Agência Canadense de Inspeção de Alimentos em Lethbridge, Alberta. A mostra analisada foi retirada de uma vaca de corte de 10 anos, destinada ao abate de emergência em um matadouro.

OUÇA AQUI A LYGIA PIMENTEL: Saiba o que o “mal da vaca louca” ainda está provocando no mercado exportador de carne bovina

Até o final da tarde, nada constava na agenda oficial da ministra Tereza Cristina, do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), mas segundo fontes do mercado está marcada para amanhã (7) uma conversa com técnicos do governo chinês. O Brasil suspendeu imediatamente as exportações para o país asiático, assim que os técnicos da vigilância sanitária brasileira identificaram os casos.
Para o retorno das exportações, além do aval da OIE, é necessário que os países compradores também formalizem o parecer da OIE. Por enquanto, as exportações permanecem suspensas.

A exportação de carne bovina no Brasil  (in natura e processada) representa um mercado bilionário. No ano passado foram US$ 8,4 bilhões, para 2,016 milhões de toneladas embarcadas, ante US$ 7,6 bilhões em 2019. Desde o início do ano, as vendas vêm em rota ascendente, com a China liderando as compras. Em relação à suspensão da venda a esse país, desde o início da manhã os principais frigoríficos exportadores do país vêm se manifestando, entre eles Minerva Foods e Marfrig Global Foods. A Marfrig informou que possui outras unidades na América do Sul habilitadas pela China. São 13 plantas, sendo que o Brasil possui sete habilitações, seguido do Uruguai com quatro e Argentina com duas. Já a Minerva informou que a subsidiária Athena Foods segue atendendo a demanda chinesa de carne bovina por contar com quatro plantas de abate, sendo três no Uruguai e uma na Argentina. A empresa disse que foi notificada no último sábado pelo Mapa sobre os casos de EEB em Mato Grosso e Minas Gerais.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: