Organização Internacional do Café vê déficit global do grão em 2021/22

Segundo a OIC, uma redução significativa da produção mundial acontecerá no próximo ano cafeeiro, consequência da crise climática.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Uma redução significativa da produção mundial de café é prevista para a próxima temporada, consequência da crise climática

Acessibilidade


A OIC (Organização Internacional do Café) disse em seu mais recente relatório mensal que a produção global do grão provavelmente cairá um pouco abaixo da demanda na próxima temporada (2021/22), que começa em outubro, mas aumentou sua previsão de superávit de café para 2020/21.

“Espera-se uma redução substancial da produção mundial no ano cafeeiro de 2021/22, uma vez que algumas origens importantes foram afetadas por choques relacionados ao clima. A oferta total deverá cair abaixo do consumo mundial”, disse o órgão intergovernamental.

A OIC não forneceu um número para o déficit projetado na próxima temporada, mas elevou sua estimativa de superávit para 2020/21 de 2,30 milhões para 2,6 milhões de sacas, principalmente devido a uma projeção de menor consumo.

O consumo agora é estimado em 167,01 milhões de sacas nesta temporada, de uma projeção de 167,58 milhões de sacas em seu relatório anterior e abaixo das 167,6 milhões de sacas vistas antes da pandemia.

As exportações mundiais de café totalizaram 10,65 milhões de sacas de 60 kg em julho, 1,7% a mais que em julho de 2020, disse a OIC, acrescentando que as exportações nos primeiros dez meses da temporada aumentaram 2,2% ano a ano, para 108,96 milhões de sacas. (Com Reuters)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: