Preços do milho na China devem cair com grande safra e importação

A previsão é que as importações de cevada do país em 2021/22 aumentem para 12 milhões de toneladas.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Edwin Remsberg/Getty Images
Edwin Remsberg/Getty Images

Os preços futuros do milho na China caíram 13% em relação às máximas recordes de maio

Acessibilidade


Os preços do milho na China devem cair em 2021/22 devido à boa oferta de grãos para ração no ano novo e expectativas de uma nova safra abundante, disse hoje (28) um analista de um instituto do governo.

“Os preços do milho provavelmente atingirão os níveis mais baixos entre o final de dezembro e o Festival da Primavera chinês, o período de pico esperado quando os agricultores vendem a nova safra [deste ano]”, disse Li Xigui, analista do CNGOIC (Centro Nacional de Informações sobre Grãos e Óleos da China), um think tank do governo.

LEIA TAMBÉM: Preços do milho na China devem cair com grande safra e importação

Em uma live, Li afirmou que os estoques de arroz e trigo para ração eram abundantes e que as importações de grãos permaneceriam em níveis elevados no novo ano.

Os preços futuros do milho na China caíram 13% em relação às máximas recordes de maio.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Li disse que a China deve importar 20 milhões de toneladas de milho no ano de 2021/22, ante 29 milhões de toneladas em 2020/21, e que as importações de sorgo seriam de 10 milhões de toneladas no ano novo, ante 8,5 milhões.

A previsão é que as importações de cevada da China em 2021/22 aumentem para 12 milhões de toneladas, ante 11,4 milhões de toneladas em 2020/21.

Li também disse que a China provavelmente importará 200.000 toneladas de grãos secos de destilaria, quase o mesmo que este ano.

A China aumentou as compras de vários grãos para ração para preencher uma lacuna no fornecimento doméstico de milho. As importações de milho e trigo aumentaram para níveis recordes em 2020. (Com Reuters)



Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: