Chineses estão trocando a carne bovina australiana pela carne dos Estados Unidos

Redação
Compartilhe esta publicação:
Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Carlos Garcia Rawlins/Reuters

Cozinheiro em restaurante chinês

Acessibilidade


Enquanto as exportações de carne bovina australiana para a China diminuem em meio a tensões diplomáticas, a demanda por carne de gado alimentado com ração dos Estados Unidos aumentou, impulsionada pelo apetite da crescente classe média chinesa.

Restaurantes, cadeias de carne japonesas e churrascarias, todos em expansão na segunda economia do mundo, estão trocando a carne bovina australiana por carne norte-americana.

Vários fornecedores australianos foram proibidos no ano passado e os embarques de outros locais demoram muito para passar pela alfândega.

LEIA MAIS: Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

As importações de carne bovina dos EUA cresceram para 83.000 toneladas nos primeiros oito meses de 2021, nove vezes a quantidade no mesmo período do ano anterior, de acordo com dados da alfândega chinesa, e devem atingir mais de US$ 1 bilhão este ano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Austrália também ficou atrás dos Estados Unidos neste ano como o maior exportador de carne de gado alimentado com ração para a China.

“Eles não têm muitas outras opções no que diz respeito ao produto bem marmorizado e alimentado com ração”, disse Joe Schuele, porta-voz da USMEF (Federação de Exportação de Carne dos EUA). “Esse é o produto que realmente se destaca na China.”

A deterioração das relações entre Pequim e Camberra prejudicou o abastecimento vindo da Austrália. Cinco de suas maiores fábricas foram suspensas por Pequim no ano passado por motivos como má rotulagem e contaminação com uma substância proibida.

Embora outras fábricas ainda tenham permissão para embarcar à China, os importadores dizem que enfrentam longos atrasos.

As importações de carne bovina da Austrália nos primeiros oito meses caíram para 96.000 toneladas, metade do que foi registrado no mesmo período do ano passado, mostram dados alfandegários da China.

“Fomos informados de que levará pelo menos 85 dias para liberar”, disse um importador de Pequim que tem seis contêineres de carne bovina australiana congelada no porto de Xangai e começou a oferecer carne Tyson para seus clientes de restaurantes.

Isso se compara a cerca de uma semana para a carne de outras origens. A Administração Geral das Alfândegas da China não respondeu a um pedido de comentário.

Os laços sino-australianos estão tensos desde 2018 e pioraram no ano passado, quando a Austrália pediu uma investigação independente sobre as origens do novo coronavírus, o que gerou represálias comerciais da China.

A carne de gado alimentado no pasto, um produto premium em outros mercados, normalmente vai para canais mais baratos na China, como restaurantes de massa e supermercados.

No ano passado, essas importações representaram 40% do consumo de carne bovina da China, ou cerca de 2 milhões de toneladas.

Embora a oferta seja dominada por produtores de pasto de baixo custo, Brasil, Argentina e Uruguai, a demanda dos consumidores de massa está diminuindo em meio a uma economia mais fraca.

O mercado de médio a alto padrão da China –onde prevalece a alimentação de gado com grãos– continua a crescer, contudo, à medida que os consumidores “comem melhor”, disse Pan Chenjun, analista sênior do Rabobank. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: