Fixação de preços de açúcar por usinas brasileiras na ICE tem máxima em 10 anos

Os altos preços dos futuros do açúcar na ICE tendem a levar as usinas brasileiras a se comprometerem com uma maior produção de açúcar na nova temporada

Redação
Compartilhe esta publicação:
Marcelo Teixeira/Reuters
Marcelo Teixeira/Reuters

As usinas brasileiras estão aproveitando a oportunidade para “hedgear” uma grande parte de suas vendas futuras de açúcar

Acessibilidade


Usinas brasileiras já fixaram preços de 38,5% das exportações de açúcar previstas para a próxima temporada – ou cerca de 9,8 milhões de toneladas – por meio de contratos futuros negociados na bolsa norte-americana ICE, o maior volume de vendas antecipadas para esta época do ano pelo menos na última década.

De acordo com a Archer Consulting, que assessora usinas em estratégias de hedge, produtores no maior fabricante global da commodity fixaram 1,5 milhão de toneladas de açúcar na ICE apenas em setembro.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

As usinas brasileiras estão aproveitando a oportunidade para “hedgear” uma grande parte de suas vendas futuras de açúcar, uma vez que os contratos do açúcar bruto em Nova York estão sendo negociados perto das máximas em quatro anos e meio.

Os altos preços dos futuros do açúcar na ICE tendem a levar as usinas brasileiras a se comprometerem com uma maior produção de açúcar na nova temporada, consequentemente reduzindo a quantidade de etanol que planejam fabricar.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Archer disse, porém, que o preço médio de hedge obtido pelas usinas até agora foi de 15,93 centavos de dólar por libra-peso, ainda distante dos níveis atuais vistos em Nova York, de cerca de 19,50 centavos de dólar por libra-peso, já que grande parte das fixações de preços para a nova temporada ocorreu meses atrás, a preços mais baixos. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação:

Temas