Startup reúne 110 parceiros para mapear a genética do solo brasileiro em 55 culturas

Investimento da ordem de R$ 29 milhões será aplicado nos próximos três anos pela Biome4All, em todas as regiões de importância produtiva no país .

Redação
Compartilhe esta publicação:
Joseani Antunes_Embrapa
Joseani Antunes_Embrapa

Cobertura de solo na preparação para plantio direto protege a natureza

Acessibilidade


A startup Biome4All, criada por um grupo de três pesquisadores e um administrador, apresentou nesta semana o Agro Bioma Brasil, projeto de mapeamento genético do solo brasileiro. Com investimentos da ordem de R$ 29 milhões que serão aplicados nos próximos três anos de execução, a meta é avaliar cerca de 5 milhões de hectares de solo cultivável no país. O objetivo é levantar informações sobre o ganho de eficiência e produtividade agrícola, por meio de estratégias de administração de insumos baseadas no conhecimento da genética do solo.

Para o projeto, a startup fechou parceria com 110 consultorias. Juntas, elas farão a análise de solo de 55 culturas, dentre as mais representativas em seus respectivos biomas e regiões, por área de plantio, custos de produção ou importância estratégica em seu mercado. “Trata-se de um estudo inédito e exclusivo, que trará respostas práticas sobre os ganhos de eficiência, produtividade e da biodiversidade do solo nos diferentes cenários avaliados no projeto”, explica Marcus Adonai Castro da Silva, microbiologista e cofundador da Biome4all.

LEIA TAMBÉM: Roberto Rodrigues: As cooperativas em ascensão

Entre os resultados esperados estão: conhecimento dos custos de produção em relação a safras anteriores; comparativo entre as estratégias de manejo com ciclos anteriores; mensuração dos ganhos de produtividade versus safras anteriores; compreensão sobre as mudanças na biodiversidade do solo e mensuração do potencial genético do solo para fixar carbono e nitrogênio.

As consultorias parceiras ficarão responsáveis pela definição dos contrastes na produção agrícola, identificação das áreas que serão analisadas e administração das estratégias de manejo do solo. Já a Biome4all vai fazer o sequenciamento genético e bioinformática, aferindo à sua plataforma Agri-Analysis um amplo conjunto de informações sobre a biodiversidade presente do solo, aspectos relacionados à saúde e nutrição das plantas e organismos patogênicos, que irão auxiliar seus parceiros na tomada de melhores decisões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os critérios de escolha das áreas a serem analisadas envolvem situações com casos antagônicos a serem comparados em mais de 50 áreas de contraste, como, por exemplo: alta produtividade x baixa produtividade; solos tratados com biológicos x químicos; elevado custo de produção x baixo custo, entre outros.

Leonardo Gomes, CEO e cofundador da Biome4all, explica que o projeto também deve avaliar áreas na América do Sul, Estados Unidos e Europa, totalizando cerca de 10,3 milhões de hectares em suas três etapas. “Estamos construindo um amplo acervo de dados genéticos dos principais solos agrícolas, que nos permitirá identificar padrões e estabelecer correlações com estratégias de tratamento para recuperação de solos degradados e ganhos de eficiência e produtividade no agronegócio, por meio de práticas sustentáveis.”

Compartilhe esta publicação: