Strategie Grains eleva previsão de safra de milho da UE e reduz importações

Aumento da projeção para o grão se deu pelos bons rendimentos no campo e à revisão das estimativas polonesas

Redação
Compartilhe esta publicação:
Peter Dazeley/Getty
Peter Dazeley/Getty

A produção de milho europeia deve chegar a 67,5 milhões de toneladas em 2021

Acessibilidade


A Strategie Grains anunciou hoje (21) aumento da sua previsão para a safra de milho deste ano na União Europeia devido aos bons rendimentos e à revisão das estimativas polonesas.

Em um relatório mensal de grãos, a consultoria projetou para 2021 produção de milho nos 27 países da União Europeia em 67,5 milhões de toneladas, acima dos 64,9 milhões de toneladas esperados anteriormente e acima da safra de 2020 de 64,6 milhões de toneladas.

VEJA TAMBÉM: Anec eleva previsão para exportações de soja e milho do Brasil em outubro

Os agricultores estão colhendo milho na Europa, com um início lento do trabalho de campo em alguns países, aumentando a atenção nas perspectivas de colheita.

A perspectiva de produção mais alta levou a Strategie Grains a reduzir sua previsão para as importações de milho da UE na safra 2021/22 para 13,9 milhões de toneladas, ante 14,4 milhões no mês passado, e agora ligeiramente abaixo do nível de 2020/21.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Apesar do aumento esperado na oferta da colheita, os estoques de milho da UE nesta temporada “permanecerão bastante restritos”, disse a consultoria ao revisar a demanda por milho.

Os preços competitivos em relação ao trigo e à cevada estão atraindo um maior uso do milho na alimentação do gado e em produtos industriais como o amido.

No entanto, alertou que os altos custos das commodities podem reduzir a demanda dos criadores de gado daqui para frente.

A melhoria das margens para o etanol também deve levar a uma maior demanda por milho para biocombustíveis em comparação com a temporada passada, acrescentou.

Para o trigo, o aumento dos preços estava reduzindo a competitividade para as exportações e também para o uso de rações, especialmente o trigo francês. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: