Argentinos pedem segregação do trigo transgênico que está sendo exportado para o Brasil

No país, a colheita do trigo da temporada de 2021/22 já começou.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Enrique Marcarian/Reuters
Enrique Marcarian/Reuters

Produção de trigo em General Belgrano, Argentina

Acessibilidade


Empresas agroexportadoras da Argentina pediram ao governo que identificasse os produtores que plantaram trigo transgênico na temporada de 2021/22 para evitar a compra de grãos dessas regiões até que o Brasil aprove a variedade geneticamente modificada do cereal.

Há um ano, a Argentina se tornou o primeiro país do mundo a aprovar uma variedade do trigo transgênico, o cereal HB4 desenvolvido pela empresa de biotecnologia local Bioceres e pela francesa Florimond Desprez, que é tolerante à seca e ao glufosinato.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O governo argentino disse que a Bioceres só poderá começar a comercializar seu trigo HB4 quando sua importação for aprovada pelo Brasil, principal comprador do cereal do país.

No entanto, segundo a empresa, na atual campanha 225 produtores argentinos plantaram um total de 55 mil hectares com trigo transgênico para a produção de sementes, graças a acordos não comerciais entre eles e a empresa, o que suscita temores de possível contaminação entre os exportadores do grão.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Se pudermos identificar áreas de risco onde o trigo geneticamente modificado está sendo plantado, evitaremos fazer compras lá”, disse à Reuters Gustavo Idígoras, chefe da Câmara dos Exportadores e Moagem de Grãos CIARA-CEC.

Exportadores temem que se o trigo geneticamente modificado – que só foi aprovado pela Argentina no mundo – for misturado aos grãos tradicionais nos embarques, muitos países compradores deixem de adquirir o cereal argentino.

Na Argentina, a colheita do trigo da temporada de 2021/22 já começou e as tarefas vão se intensificar nas próximas semanas. A Bolsa de Cereais de Buenos Aires estima a colheita do cereal em um recorde de 19,8 milhões de toneladas.

Em 2020, o Brasil comprou 40% das 10,6 milhões de toneladas que a Argentina exportou, segundo dados oficiais. E 80% das importações de trigo feitas pelo Brasil têm origem no país vizinho.

A agência de biossegurança brasileira CTNBio poderá se pronunciar sobre a aprovação ou rejeição da importação do trigo HB4 da Bioceres em 11 de novembro.

Mas a Abitrigo (Associação Brasileira da Indústria do Trigo) já ameaçou em setembro não comprar trigo argentino se o cereal transgênico for autorizado. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: