Embargo chinês derruba pela metade a exportação de carne bovina do Brasil em outubro

Em outubro do ano passado, o país embarcou 162,68 mil toneladas da proteína para o exterior, conforme a Secex.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Rebanho bovino no Pará

Acessibilidade


As exportações de carne bovina in natura do Brasil despencaram para 82,18 mil toneladas em outubro, pressionadas pela suspensão de compras de seu principal importador, a China, que já se estende por cerca de 60 dias, mostraram dados da Secex (Secretaria de Comércio Exterior) hoje (3).

Em outubro do ano passado, o país embarcou 162,68 mil toneladas da proteína para o exterior, conforme a Secex.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Em setembro, quando cargas foram enviadas aos chineses mesmo após o anúncio do embargo, no dia 4, o Brasil bateu recorde mensal de exportações de carne bovina, com exportadores confiando que a suspensão seria curta e não valeria para cargas certificadas antes de um problema sanitário.

Entretanto, a maioria dos lotes enviados em setembro foi bloqueada por autoridades do país asiático, e os carregamentos seguem parados nos portos da China, aguardando autorização para entrada ou sinal verde para seguir rumo a outro destino.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O embargo foi estabelecido após o Ministério da Agricultura brasileiro confirmar a ocorrência de dois casos atípicos da doença EEB (Encefalopatia Espongiforme Bovina), conhecida como “vaca louca”, que desencadeou a suspensão automática de exportações da proteína à China em cumprimento a um protocolo para a situação.

Por se tratarem de casos atípicos, a Organização Internacional de Saúde Animal (OIE, na sigla em inglês) concluiu ainda em setembro que não havia risco para o rebanho brasileiro, mesmo assim os chineses mantêm a suspensão à carne bovina do Brasil.

Especialistas atribuem o posicionamento da China a uma estratégia para baixar os preços do produto brasileiro, que vinha em patamares elevados, com a influência do dólar e da escassez de oferta nacional. Apesar disso, os dados da Secex indicam que o valor da proteína segue 21,7% superior, no comparativo anual, somando US$ 5.166 por tonelada em outubro.

O valor afetado até o momento foi o da arroba bovina, que já acumula redução de 13,48% desde o início do embargo, a 263,95 reais, conforme o Indicador do Boi Gordo Cepea/B3.

OUTRAS COMMODITIES

Na contramão, as exportações de soja do Brasil somaram 3,29 milhões de toneladas em outubro, alta de 36% ante o mesmo mês do ano passado, informou a Secex. A oleaginosa conta com o efeito do dólar e ampla demanda.

Na mesma linha, as vendas internacionais de petróleo atingiram 6,1 milhões de toneladas, avanço de 33% no comparativo anual, em momento de fortes preços externos do combustível fóssil. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: