Entenda o que é micélio, a rede de fungos que pode ajudar na sustentabilidade planetária

Estimado em 450 quatrilhões de quilômetros, ou metade da largura da Via Láctea, ele é tão importante quanto ter uma agropecuária sustentável e um futuro de baixo carbono.

Felicia Jackson
Compartilhe esta publicação:
Igo Estrela_CNA
Igo Estrela_CNA

Rede de fungos localizada a poucos centímetros da superfície do solo deve ser mais estudada para que seu papel seja melhor entendido

Acessibilidade


O sistema alimentar global está em crise, de acordo com o IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), à medida que as mudanças climáticas começam a afetar a produção de alimentos e a produção agrícola contribui para as mudanças climáticas. A ONU (Organização das Nações Unidas) também alerta que há desafios crescentes em torno da “biodiversidade e produtividade do solo, levando a um rápido declínio de sua saúde, filtragem da água, sequestro de CO2 e outras funções do ecossistema”. Um dos problemas é a falta de conhecimento sobre a saúde do solo. Mas um novo financiamento para a SPUN (Sociedade para a Proteção de Redes Subterrâneas) seria bem-vindo para mudar essa realidade.

Enquanto o mundo está despertando para a importância dos ecossistemas e da saúde do solo, um dos blocos de construção mais fundamentais do solo, a rede de fungos, praticamente tem sido ignorada até hoje. Sua destruição, no entanto, acelera as mudanças climáticas, a perda de biodiversidade e interrompe os ciclos globais de nutrientes. Isso, por sua vez, tem impacto na produtividade, como tem mostrado reportagens recentes nas mais variadas mídias, com foco no aumento do custo dos fertilizantes devido ao custo do gás natural.

Encontrar novas maneiras de manter o ciclo de nutrientes será essencial para reduzir as emissões da agricultura. Décadas de fertilizantes químicos nos solos resultaram em uma relação disfuncional entre plantas e fungos. No entanto, as redes de fungos podem diminuir a lixiviação de nutrientes no solo em 50%, além de contribuir com até 80% do suprimento de fósforo de uma planta.

LEIA TAMBÉM: Conheça o executivo que trocou a cidade pelo campo para fazer sorvete gourmet

As tendências atuais das pesquisas sugerem que mais de 90% do solo da Terra estará degradado até 2050, portanto, proteger o subsolo da expansão das terras agrícolas pode ser um ponto crítico dessa jornada. A SPUN sugere que tal proteção poderia reduzir a liberação de 41 bilhões de toneladas de CO2 dos estoques do solo nos próximos 30 anos, o equivalente a 8 vezes as emissões anuais de CO2 dos EUA.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os micélios dos fungos, ou redes fúngicas, têm sido objeto de fascínio de muitas formas diferentes. Os ecologistas se perguntam se eles atuam como uma forma rudimentar de comunicação entre árvores e plantas. O fungo está sendo explorado como fonte de material novo e sustentável. Até mesmo o tamanho das redes fúngicas é difícil de compreender – globalmente, o comprimento total do micélio fúngico nos dez centímetros superiores do solo foi estimado em mais de 450 quatrilhões de quilômetros – ou cerca de metade da largura da Via Láctea.

As redes de fungos também têm um papel importante a desempenhar no tratamento das emissões. Jeremy Grantham, um defensor do clima que prometeu 98% de seu patrimônio líquido para combater as mudanças climáticas, diz: “Logo abaixo de nossos pés está um aliado inestimável na mitigação das mudanças climáticas – vastas e ocultas redes de fungos. Bilhões de toneladas de dióxido de carbono fluem anualmente das plantas para as redes de fungos. E, no entanto, esses sumidouros de carbono são pouco compreendidos. Ao trabalhar para mapear e aproveitar esse recurso ameaçado, mas vital para a vida na Terra, a Sociedade para a Proteção das Redes Subterrâneas é pioneira em um novo capítulo na conservação global”.

Atualmente, as redes de fungos enfrentam um futuro incerto porque não fazem parte da discussão sobre mudanças climáticas e agricultura. Sua perda – impulsionada pela poluição, urbanização, expansão agrícola e desmatamento – é em grande parte não documentada e invisível. No entanto, eles são uma parte crítica da vida na Terra. Globalmente, aproximadamente 75% do carbono terrestre está no solo, o que é até três vezes mais do que a quantidade armazenada em plantas e animais vivos.

Isso também significa que as redes de fungos também podem desempenhar um papel importante em nossa compreensão dos sumidouros de carbono. Supõe-se amplamente que as florestas tropicais detêm a maior parte do carbono terrestre da Terra, mas os ecossistemas subterrâneos de alta latitude podem conter muito mais carbono. A pesquisa de Frey sugere que 5 bilhões de toneladas de dióxido de carbono fluem para redes de fungos a cada ano, o equivalente a mais da metade de todas as emissões de CO2 relacionadas à energia em 2021. Agora, os cientistas agora estão revisando essa estimativa, que pode ser três vezes maior (ou cerca de 17 bilhões toneladas), quando todos os tipos de redes fúngicas forem incluídos.

Usando 10.000 observações do conjunto de dados GlobalFungi, juntamente com centenas de camadas de dados ambientais globais, o SPUN está usando aprendizado de máquina para prever a distribuição da biodiversidade da rede em todo o planeta. A [partir do próximo mês de abril] SPUN coletará mais 10.000 amostras em ecossistemas em todos os continentes nos próximos 18 meses para explorar a biodiversidade da rede e os hotspots de sequestro de carbono. Juntamente com novas visualizações impressionantes de fluxos de nutrientes dentro das redes, esses mapas serão usados ​​para identificar locais de alta prioridade com potencial para armazenar mais carbono e sobreviver a eventos climáticos extremos. [A missão em abril será focada em hotspots de biodiversidade da rede, previstos em regiões como as terras altas da Patagônia, segundo a SPUN].

A exploração da rede será guiada por uma equipe de consultores proeminentes, incluindo a conservacionista Jane Goodall, os autores Michael Pollan e Merlin Sheldrake, bem como a fundadora da Fungi Foundation, Giuliana Furci. A SPUN também anunciou dois membros de seu Conselho de Administração – Rose Marcario, ex-CEO da Patagonia e Mark Tercek, ex-CEO da Nature Conservancy. Mark Tercek diz: “Compreender melhor os ecossistemas subterrâneos é uma grande oportunidade para iniciativas de biodiversidade e clima. As redes de fungos sustentam a vida na Terra. Se as árvores são os ‘pulmões’ do planeta, as redes de fungos são os ‘sistemas circulatórios’. Essas redes são amplamente inexploradas, mas continuam sendo uma das maiores alavancas inexploradas da ciência.”

O que esta pesquisa destaca é a importância de reconhecer que o subsolo está vivo. Como diz Kiers, “Nosso objetivo é proteger esse enorme sistema circulatório subterrâneo que está faltando nas agendas de clima e conservação. As redes de fungos são um antigo sistema de suporte à vida que precisa ser mapeado e protegido para que possam continuar a regular o clima”.

*Felicia Jackson é colaboradora da Forbes EUA, leciona Energia e Política Climática e Finanças, Sustentabilidade e Mudanças Climáticas na Universidade de Londres, e autor de Conquering Carbon: Carbon Emissions, Carbon Markets and the Consumer.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

 

Compartilhe esta publicação: