A icônica indústria da laranja na Flórida pode sobreviver à sua própria pandemia?

Conheça a gigantesca batalha que a cadeia de citrus dos EUA vem travando para salvar seus pomares e um negócio bilionário

Steven Savage
Compartilhe esta publicação:
Guettyimages_Angie
Guettyimages_Angie

Os Estados Unidos são os maiores consumidores do mundo de laranjas e outros citrus

Acessibilidade


Há mais de dois anos, a sociedade lida com as ramificações da pandemia de Covid-19 e isso já parece uma longa jornada. Matou milhões, causou estresse humano significativo e precipitou a ruptura econômica. Infelizmente, o cronograma para sua resolução não é claro. Nos últimos dezessete anos, a indústria cítrica da Flórida vem enfrentando uma pandemia própria – neste caso, uma doença bacteriana exótica que assola as árvores cultivadas para produzir as frutas e sucos populares e promotores de saúde que apreciamos (laranjas, toranjas, limões, limas, tangerinas…). Esta doença severa nas plantas agora ocorre em todos os 45 condados produtores de citros na Flórida. A doença foi descrita pela primeira vez na China, no início de 1900, onde chamou Huanglongbing ou “doença do dragão amarelo”. Nos EUA, geralmente é chamado de “HLB” ou “Citrus greening”.

Em 1998, um inseto chamado Asian Citrus Psyllid (ACP) apareceu na Flórida e causou preocupação porque era conhecido por transmitir essa doença enquanto se alimentava da seiva da árvore. No entanto, a bactéria não foi introduzida no estado por um tempo, até 2005 quando as primeiras árvores doentes foram encontradas.

LEIA TAMBÉM:  Entenda por que o suco de laranja deve ficar mais caro

Nos anos seguintes, o inseto e a doença se espalharam para praticamente todos os pomares de frutas cítricas da Flórida, onde ameaçam a própria sobrevivência dessa importante indústria (impacto econômico total de US$ 6,7 bilhões, 33.000 empregos, US$ 1,816 bilhão dentro das fazendas). No entanto, ambas as pragas também estão presentes em outros estados produtores de citros dos EUA e representam uma ameaça iminente para essas indústrias.

M. ROGERS_UCANR.EDU
M. ROGERS_UCANR.EDU

A praga Asian Citrus Psyllid (ACP): um adulto cinza, ninfas amarelas e um resíduo ceroso que deixam para trás

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Essa história vem se desenrolando lentamente ao longo dos anos. A razão pela qual um problema de longa duração voltou às notícias ultimamente é que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) publicou uma estimativa de produção deprimentemente sombria para a safra de laranja da Flórida em 2022. Eles projetam que cairá para 44,5 milhões de caixas de 90 libras – apenas 18% da safra vista em 2004 – antes da era HLB (veja o gráfico abaixo).

Desde que o HLB apareceu em 2005, a produção vem caindo (com base em dados do USDA-NASS) Gráfico de Steve Savage

Na Flórida, esta doença está causando considerável preocupação com o futuro. Uma vez que as bactérias foram introduzidas na árvore pelo inseto ACP, elas se tornam sistêmicas. A infecção leva a um declínio de 50-70% no desempenho da raiz da árvore, redução do vigor da planta, queda de frutos e problemas com o amadurecimento. Os pomares infectados geram rendimentos cada vez menores das culturas comercializáveis ​​ao longo do tempo. Essa tensão financeira induziu cerca de 5.000 agricultores a abandonar completamente o cultivo de frutas cítricas. Infelizmente, o potencial de mudar para diferentes culturas (por exemplo, mirtilos, morangos, pêssegos, legumes) é limitado devido ao clima e à concorrência de outras áreas de cultivo dos EUA e das importações. Citrus costumava ser a opção mais lucrativa no sul da Flórida e é por isso que foi cultivada em cerca de 900.000 acres (365 mil hectares) antes da HLB. As tendências de declínio do rendimento e da área cultivada para laranjas vieram se confirmando ao longo do tempo.

Particularmente para a indústria de sucos, o volume ofertado é essencial para a plena operação de plantas de processamento das frutas. Por isso, foi necessário que as grandes marcas incluíssem as importações do México e do Brasil. A única marca de suco de cooperativa de produtores que continuou fabricando um produto “100% cultivado na Flórida” por muitos anos (Florida’s Natural) não conseguiu mais manter essa distinção.

Então, há alguma esperança?

Como costuma ser o caso na agricultura – a adversidade inspirou um esforço de pesquisa diversificado, privado/público, para identificar e/ou desenvolver opções de manejo de pragas para esta doença e seu vetor. O financiamento para isso vem da própria indústria (por exemplo, Florida Citrus Research and Development Foundation), do estado (Universidade da Flórida/IFAS), do governo federal (USDA) e de empresas privadas de tecnologia. Em 2018, a Academia Nacional de Ciências publicou uma revisão de 287 páginas do esforço de pesquisa com contribuições ou revisões de 23 cientistas. Uma das principais conclusões foi que nenhuma solução única provavelmente resolveria esse problema e que era necessária uma estratégia diversificada. A seguir, uma lista pelo menos parcial das estratégias que estão sendo adotadas para soluções imediatas e de longo prazo para esse desafio.

Nutrição e manejo da água – como o HLB compromete o sistema radicular da árvore, torna-se mais importante do que nunca fornecer nutrientes por meio de fertilizantes. No entanto, este é um desafio nos solos extremamente arenosos da Flórida, porque esses minerais podem ser lavados abaixo da zona de enraizamento para se tornar um possível problema nas águas subterrâneas. Os especialistas em extensão do estado recomendam a “colheita” de pequenas doses de fertilizante em várias ocasiões durante o ano, entregues através dos sistemas de irrigação que agora são usados ​​em praticamente todos os pomares. Grandes adições de matéria orgânica também são utilizadas no replantio e/ou em anos posteriores, mas é um desafio reter seus efeitos nesses solos. No geral, os produtores são aconselhados a seguir as BMPs (melhores práticas de gerenciamento) que fazem o máximo possível para reduzir os efeitos do HLB, além de proteger o meio ambiente.

CUPS – Uma opção bastante extrema, mas de curto prazo, para os produtores que estão plantando novas árvores de citros é usar um sistema chamado CUPS – “Citrus Under Protective Screening”. A ideia é excluir completamente o vetor ACP cultivando as árvores sob uma tela protetora de polietileno de alta densidade de 40-50 mesh ( fios de malha).

ARNOLD W. SCHUMANN, UF_IFAS
ARNOLD W. SCHUMANN, UF_IFAS

Há um laranjal sob esta cobertura protetora projetada para excluir completamente o inseto vetor do HLB

Esse tipo de estrutura custa cerca de US$ 1/pé quadrado e a tela deve ser substituída a cada 7-10 anos. Esse investimento de capital teoricamente pode fazer sentido porque, além de evitar danos causados ​​pelo HLB, as árvores começam a dar frutos dentro de 2,5 anos após o plantio versus o intervalo normal de 5 a 7 anos. Ainda assim, a análise econômica desse sistema sugere que ele só é viável para o “maior rendimento possível de frutas frescas de alta qualidade com alto preço de mercado” e apenas com alto grau de estabilidade de mercado.

Criação de Novas Variedades Cítricas – existem vários programas de melhoramento de longo prazo da universidade e do USDA para citros que adicionaram resistência ao HLB, além de outros tipos de resistência a pragas, características de rendimento e qualidade e características do consumidor, como a facilidade de descascar tangerinas. Existem alguns exemplos promissores de novas variedades que saem desses programas. Há também outro esforço ambicioso de hibridização entre espécies trabalhando com um parente cítrico chamado Poncirus trifoliata ou “Japanese Bitter Orange”. Essa fonte de diversidade genética pode fornecer “genes de resistência a doenças constitutivas (CDR)” em híbridos que podem ser cruzados para restaurar a qualidade de frutas e sucos. Tecnologias modernas como ressequenciamento do genoma e sequenciamento do transcriptoma são usadas para acelerar esse processo. Os híbridos de Poncirus também estão sendo avaliados quanto à resistência relativa ao inseto vetor, ACP.

Joe Raedle/GettyImages
Joe Raedle/GettyImages

Colheita de laranja na Flórida, em plena safra

Criação de porta-enxertos – com culturas de árvores e videiras, geralmente há esforços de reprodução independentes para a parte da planta que cresce acima do solo (descendente) e aquela que cresce abaixo (porta-enxerto). Pesquisadores da Universidade da Flórida e do USDA têm programas de longa data de desenvolvimento de porta-enxertos que buscavam abordar outras doenças e problemas de nutrição antes do HLB, mas descobriram que alguns de seus híbridos são promissores para reduzir o impacto de infecções.

Em alguns casos, observaram redução da proliferação do patógeno dentro da árvore. Existe a possibilidade de que esse tipo de efeito de redução do crescimento bacteriano se mova para os enxertos onde o fruto é formado. Eles também estão reproduzindo para porta-enxertos “anões” que permitem plantios de “ultra-alta densidade” adequados para colheita mecanizada – uma opção com potencial mais economicamente viável para o futuro.

Biocontrole – o manejo de pragas envolvendo agentes de controle biológico vivo é uma parte cada vez mais importante na caixa de ferramentas para os agricultores em geral. Pesquisadores do centro de pesquisa e educação da Universidade da Flórida, em Apopka, estão testando uma cepa benigna de um patógeno bacteriano diferente de uvas chamado Xylella.

Ao injetar este organismo em árvores infectadas com HLB, parece ser possível retardar o desenvolvimento de sintomas graves e, assim, manter o pomar produzindo por mais tempo. Essa opção ainda não está disponível para os produtores porque exigirá registro na EPA (sigla em inglês para Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos), mas a pesquisa continua para determinar a eficácia da proteção para novas árvores e com que frequência novas injeções podem ser necessárias.

Edição de genoma – Os recentes avanços nas tecnologias de edição de genoma, como CRISPR, estão gerando entusiasmo para muitas aplicações, desde cuidados com a saúde humana até a agricultura. Uma extensa revisão de como isso pode ser aplicado para combater o HLB foi publicada por pesquisadores chineses no International Journal of Molecular Sciences. Embora o USDA e outras agências reguladoras globais tenham sinalizado que minimizarão as barreiras a essa abordagem, resta saber como a UE responderá ao amplo apoio científico para um caminho regulatório suave para esse tipo de tecnologia.

Se, em vez disso, a UE seguir sua tendência histórica de empregar extrema precaução, independentemente de pareceres científicos, sua influência nos mercados de exportação afetará negativamente essa opção futura para a Flórida e outras regiões de cultivo de citros. De qualquer forma, essa solução não estará disponível em breve porque leva vários anos para passar de uma célula editada por genes a uma árvore com idade suficiente para gerar brotos para enxertia em porta-enxertos.

Engenharia genética – como muitos outros players da indústria de alimentos sensíveis à marca, os produtores de suco de laranja e toranja da Flórida concordaram com a pressão para exibir o insidioso rótulo “Não OGM”, embora não haja cultivares comerciais “OGM” sendo cultivadas. Houve um excelente artigo escrito em 2013 sobre o início da história dessa pandemia e a preocupação de que os produtores não tivessem ferramentas transgênicas para combater o HLB.

Existe um programa ativo de pesquisa em engenharia genética sendo realizado por uma equipe multidisciplinar envolvendo Texas A&M, Universidade da Flórida, Southern Gardens Citrus, Universidade de Purdue, Universidade da Califórnia e USDA. Envolve a identificação de genes para peptídeos antimicrobianos para neutralizar o organismo HLB e, em seguida, obter aqueles expressos nas árvores ou entregá-los com a ajuda de uma versão benigna de um vírus cítrico comum. No caso posterior, as próprias árvores não seriam “OGM” e seria possível usar a tecnologia em muitas variedades existentes e novas. Existem processos regulatórios envolvidos (USDA, EPA), mas estão em fase de conclusão.

Mesmo que as opções de “melhoramento convencional” sejam promissoras e menos controversas, é sempre lógico ter uma estratégia diversificada – especialmente para uma cultura perene que precisa de soluções que permaneçam eficazes ao longo de algo como 20 a 30 anos de vida útil de um novo plantio. Essa revisão da Academia Nacional de Ciências de 2018 recomendou especificamente “esforços ampliados no alcance educacional para produtores, processadores e consumidores” sobre o tema das opções de biotecnologia. De volta à analogia da pandemia do Covid-19, a desinformação é abundante quando se trata de vacinas e “OGMs”.

Afinal, e o futuro?

Então, sim, a contínua pandemia de HLB não resultará em uma safra recorde de laranja da Flórida em 2022. Mas ainda há motivos para esperar que uma combinação de dedicação do produtor e pesquisa para desenvolver estratégias diversas signifique que os consumidores possam continuar desfrutando dessas saborosas opções de frutas e sucos que promovem a saúde. Encontrar soluções não é importante apenas para o Estado do Sol, como é chamada a Flórida, mas também para outros estados ameaçados pelo HLB, como Texas, Arizona e Califórnia.

* Steven Savage é colaborador da Forbes EUA. Estuda tecnologias agrícolas há mais de 40 anos. É B.S. em biologia em Stanford, M.S. e Ph.D em Plant Pathology (estudo das doenças das plantas) na Universidade da Califórnia. Já trabalhou em universidades do estado do Colorado, na DuPont e para a Mycogen, start-up especializada em controles biológicos. Hoje é consultor.

Compartilhe esta publicação: