Agricultores de Mato Grosso abrem negociações para venda direta de milho ao Irã

O Irã foi o segundo maior comprador de milho brasileiro em 2021, atrás apenas do Egito.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Henry Romero/Reuters
Henry Romero/Reuters

Produção de milho

Acessibilidade


Agricultores de Mato Grosso, maior Estado agrícola do país, iniciaram negociações para exportar 5 milhões de toneladas de milho diretamente ao Irã, disse ontem (18) a Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado (Aprosoja-MT) em nota.

Em reunião no Teerã com os principais produtores de fertilizantes do país e com secretários adjuntos do Ministério da Agricultura iraniano, a negociação foi aberta e, em contrapartida, o Irã se comprometeria a fornecer o equivalente em fertilizantes.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“Abre-se oportunidade para um novo modelo de negócio de comércio direto entre Irã e produtores de Mato Grosso”, disse a entidade no comunicado.

O Irã foi o segundo maior comprador de milho brasileiro em 2021, atrás apenas do Egito, importando 3,1 milhões de toneladas, conforme dados de embarque. Este ano, o país já importou 430 mil toneladas do cereal.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O presidente da Aprosoja-MT, Fernando Cadore, fez parte da delegação oficial brasileira que viaja à capital iraniana com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, para estreitar os laços comerciais entre as duas nações.

Cadore disse no comunicado que o objetivo da Aprosoja-MT era desburocratizar e encontrar meios para facilitar o comércio direto de fertilizantes e grãos.

“A venda direta dos produtores de fertilizantes do Irã para os produtores brasileiros e vice-versa em relação à exportação será de grande benefício para os dois lados”, disse ele.

A ministra classificou as negociações como “uma oportunidade ímpar para ampliar ainda mais esse nosso comércio agrícola”.

Ela disse que os produtores de grãos brasileiros podem produzir alimentos com eficiência e contribuir decisivamente para melhorar os programas de segurança alimentar do Irã.

Compartilhe esta publicação: