Brasil continua a negociar venda de fábrica de fertilizantes para a Rússia, apesar da guerra com a Ucrânia

Uma minuta de contrato entre Petrobras e Acron foi assinada antes da guerra.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Adrees Latif/Reuters
Adrees Latif/Reuters

Brasil continua a negociar venda de fábrica de fertilizantes para a Rússia

Acessibilidade


As negociações da Petrobras com a russa Acron para a venda da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados 3 não sofreram alterações ou cancelamentos, apesar da invasão da Rússia à Ucrânia, disseram à Reuters duas fontes brasileiras próximas da transação.

“As negociações seguem, continuam (apesar da guerra), e em cima da minuta assinada entre as duas partes”, disse uma das fontes em condição de sigilo.

Uma minuta de contrato entre Petrobras e Acron foi assinada antes da guerra.

Após o ataque à Ucrânia, sanções e medidas financeiras restritivas começaram a ser impostas à Rússia, lançando incertezas para negócios russos no exterior.

Outras empresas e corporações multinacionais, incluindo as grandes petroleiras Exxon Mobil e BP, cortaram relações com a Rússia, abandonando bilhões de dólares em ativos e condenando o ataque russo à Ucrânia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mas, segundo uma das fontes, as sanções, pelo menos por ora, não impactaram as conversações.

“Para a Petrobras, nada mudou. Agora, se vai ter embargo, se vai afetar a negociação entre os dois países, a gente não sabe. Para Petrobras, está tudo normal”, avaliou uma das pessoas.

Procurada, a Petrobras disse que não houve nenhuma atualização em relação ao que foi divulgado quando a empresa anunciou a assinatura da minuta.

A unidade de fertilizantes na cidade de Três Lagoas (MS) ainda precisa ter as obras concluídas. Quando os trabalhos foram interrompidos, há cerca de oito anos, aproximadamente 80% do empreendimento estava de pé, após gastos de R$ 3 bilhões.

Antes do conflito, o presidente Jair Bolsonaro esteve na Rússia e, numa reunião com o presidente russo Vladimir Putin, tratou de temas envolvendo fertilizantes.

O Brasil importa 85% dos fertilizantes que consome, e normalmente tem a Rússia como o fornecedor número 1.

“Para Petrobras não parou nada, não houve sinalização de algo diferente. Estão sendo dados os passos adiante… a guerra para Petrobras não afetou em nada a negociação”, complementou uma das pessoas.

A unidade parada tem um custo mensal de mais de R$ 1 milhão à Petrobras, segundo uma fonte.

As duas fontes reforçaram que existe um processo de venda em curso que ainda precisa passar por todos os ritos de governança da estatal, num prazo ainda não definido.

“O prazo para fechar o negócio é o prazo para rodar na governança da empresa, ou seja, passar pela diretoria e depois seguir para conselho (de administração)”, destacou uma das pessoas.

O anúncio das negociações foi feito no mês passado, primeiramente pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em visita ao Mato Grosso do Sul, local da unidade de nitrogenados.

Os russos buscam incentivos governamentais, como isenções de tributos, para adquirir a planta e fazer futuros investimentos, afirmaram as pessoas.

“A informação que nós temos é que ao comprar o ativo eles (os russos) não concluiriam a fábrica (de imediato). Fariam ali um entreposto para distribuir produtos para Brasil e América do Sul”, disse uma das fontes.

Apenas em um segundo momento concluiriam as obras para iniciar a produção local.

A construção da fábrica de fertilizantes foi iniciada em 2011 por um consórcio de empresas e, no final de 2014, a Petrobras suspendeu o contrato.

Em 2017, já no governo de Michel Temer, a estatal pôs a planta à venda, com a intenção de sair definitivamente do setor de fertilizantes.

A empresa chegou a negociar com a própria Acron no passado, mas encerrou as tratativas sem acordo no final de 2019.

 

Compartilhe esta publicação: