Em busca de fertilizantes, Ministra tem encontro com Potash Brazil no Canadá

A Potash Brazil é a empresa do investidor canadense Stan Bharti que busca desenvolver a maior mina de potássio da América Latina na Amazônia.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

A ministra da Agricultura brasileira, Tereza Cristina, teve encontro no domingo com representantes da companhia de fertilizantes Potash Brazil, em Ottawa

Acessibilidade


A ministra da Agricultura brasileira, Tereza Cristina, teve encontro ontem com representantes da companhia de fertilizantes Potash Brazil, em Ottawa, como parte do primeiro compromisso da missão oficial ao Canadá que visa garantir ofertas do insumo em meio à guerra na Ucrânia.

“Para que o nosso país continue aumentando a oferta de alimentos e contribuindo com a segurança alimentar mundial, precisaremos de fertilizantes potássicos”, disse a ministra, em publicação no Twitter, na noite de ontem.

A Potash Brazil é a empresa do investidor canadense Stan Bharti que busca desenvolver a maior mina de potássio da América Latina na Amazônia, em um esforço para reduzir a dependência de agricultores brasileiros das dispendiosas importações de fertilizantes.

Segundo a ministra, a missão ao Canadá tem o objetivo de assegurar os níveis atuais de compras do Brasil, mas também expandi-las.

“Podemos e devemos reforçar nossos laços e fortalecer parcerias de longo prazo. Isso significa, na prática, alimentos em quantidade e qualidade a preços acessíveis na mesa de todos”, acrescentou a ministra.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Na última sexta (11), o Brasil lançou o plano nacional de fertilizantes, com o objetivo de reduzir a dependência do Brasil de importações desses produtos dos atuais 85% para 45% em 2050, afirmou o Ministério da Agricultura, em um momento em que o Brasil lida com alta nos preços desses insumos, além de escassez por conta da guerra na Ucrânia.

Embora a situação da dependência externa de fertilizantes tenha sido acentuada com a guerra na Ucrânia, envolvendo a Rússia –normalmente o principal fornecedor aos brasileiros–, o plano mira o longo prazo.

Compartilhe esta publicação: