Importações da China de soja do Brasil aumentam no 1° bimestre

Em 2021, as chuvas no Brasil atrasaram a colheita.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Tingshu Wang/Reuters
Tingshu Wang/Reuters

As importações chinesas de soja do Brasil aumentaram significativamente nos dois primeiros meses de 2022

Acessibilidade


As importações chinesas de soja do Brasil aumentaram significativamente nos dois primeiros meses de 2022 em relação a igual período do ano passado, segundo dados alfandegários divulgados ontem.

Maior comprador mundial de soja, a China trouxe 3,51 milhões de toneladas da oleaginosa do Brasil no período, uma alta de 241% em relação ao 1,03 milhão de toneladas do ano anterior, mostraram dados da Administração Geral de Alfândegas.

No ano passado, as chuvas no Brasil atrasaram a colheita e as exportações do país sul-americano, maior fornecedor de soja para a China.

Este ano, a seca desacelerou a colheita e os embarques no Brasil, apertando a oferta de soja na China, forçando muitos esmagadores a interromper as operações e empurrando os preços do farelo para níveis recordes.

Mesmo assim, as chegadas de soja ainda foram maiores do que no ano anterior, mostraram os dados.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A China também trouxe 10,04 milhões de toneladas de soja dos Estados Unidos nos primeiros dois meses de 2022, uma queda de 16% em relação às 11,9 milhões de toneladas do ano anterior, segundo dados alfandegários.

No início de 2021, o país intensificou as compras de produtos agrícolas dos EUA para cumprir o compromisso no acordo comercial que os dois países assinaram em janeiro de 2020.

Compartilhe esta publicação: