Criadores de ovelhas da Nova Zelândia estão provando que a produção de lã é regenerativa

Carbono mitigado ou sequestrado pela criação dos animais no pasto passa a ser cientificamente verificado .

Esha Chhabra
Compartilhe esta publicação:
Elena Safonova/Reuters
Elena Safonova/Reuters

Coletivo ZQRX quer tornar a produção de lã da Nova Zelândia mais sustentável e regenerativa

Acessibilidade


Dado que a é um dos produtos mais exportados pela Nova Zelândia, e uma série de marcas globais se tornaram famosas por usar essa lã em suas coleções de roupas e acessórios, há um maior policiamento cada vez mais forte se a produção desse material é uma boa saída para a indústria da moda e para a conservação do planeta.

“A indústria global da moda é responsável por 10% das emissões anuais de gases de efeito estufa em todo o mundo, e não podemos ignorar o papel que a produção de lã desempenha nessa estatística impressionante”, diz John Brakenridge, CEO da The New Zealand Merino Company, empresa e consultoria de vendas, marketing e inovação da cadeia da lã.“Embora a lã seja 100% biodegradável, e um produto totalmente natural, o problema mais citado é sua pegada de gases de efeito estufa. Isso ocorre porque as ovelhas, como parte de sua digestão natural do pasto, produzem metano, um gás de efeito estufa. Este é o caso das ovelhas em todo o mundo, portanto, não é específico da Nova Zelândia.”

LEIA TAMBÉM: Maiores bilionários brasileiros do agronegócio em 2022

O ZQRX, um coletivo que atua na sustentabilidade da lã da Nova Zelândia, está construindo o que chama de primeira plataforma de regenerativa – e espera oferecer uma narrativa diferente, argumentando que a lã pode, de fato, ser sustentável, ou melhor, regenerativa. Cerca de 460 fazendas, em cerca de 1,4 milhão de hectares de terrsa fazem parte desta nova iniciativa, na esperança de oferecer maior rastreabilidade no que pode ser uma complexa cadeia de suprimentos global.

Por outro lado, mais de 20 marcas se juntaram à ZQRX, como Maggie Marilyn, Helly Hansen e John Smedley, ao lado de parceiros fundadores, Allbirds, Icebreaker e Smartwool. “Todos eles deixaram de lado suas ofertas de produtos competitivos com a missão compartilhada de agir contra as mudanças climáticas e produzir a lã mais ética e de mais alta qualidade do mundo”, diz Brakenridge.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Neste ano, em colaboração com a Actual, empresa de tecnologia sediada nos EUA, que oferece soluções ESG, a lã ZQRX lançou uma nova plataforma que usa métricas em tempo real, aprendizado de máquina e modelagem amigável para ajudar produtores e marcas a planejar, prever e melhorar com precisão seus resultados ESG (ambientais, sociais e de governança), explica Brakenridge. Cada produtor recebe seus próprios resultados personalizados para ajudá-los a monitorar seu impacto, medir as emissões de carbono (e o sequestro) e ver como eles podem tornar seus agricultores mais ecológicos, modelando investimentos futuros.

Para participar do programa ZQRX, um produtor deve primeiro ser certificado pelo padrão de lã ética, ZQ. Todos os produtores são auditados por terceiros para garantir que atendam aos requisitos do manual do produtor ZQ, antes de se tornarem certificados ZQ. A Textile Exchange e a The New Zealand Merino Company também criaram um processo de auditoria e uma lista de verificação combinados, o que significa que as fazendas auditadas e em conformidade com a ZQ também são certificadas pelo RWS (Responsible Wool Standard).

Isso significa que eles fizeram o trabalho de base. Agora, com essa plataforma, todos podem acompanhar os esforços de sustentabilidade — e comunicá-los às marcas. A ZQRX também trabalha com cada produtor em sua rede para desenvolver estratégias exclusivas para seus sistemas agrícolas, acrescenta Brakenridge, afirmando que é uma abordagem personalizada, não um método único.

Voltando à questão da emissão de metano pelas ovelhas, Brakenridge argumenta que elas também estão sendo criadas como parte de um ecossistema mais amplo. “Sua pastagem e manejo também permitem o sequestro (ou armazenamento) de carbono. É aqui que o carbono é armazenado na vegetação lenhosa, como as árvores, e no solo.”

Assim, a plataforma ZQRX permite que os produtores considerem tanto o metano que emitem quanto o carbono que armazenam e, ao fazê-lo, os estimula a implementar estratégias de gerenciamento que aumentam o sequestro de carbono. “Agora, temos várias fazendas que foram cientificamente verificadas como próximas da neutralidade de carbono ou, em alguns casos, estão realmente armazenando mais carbono do que emitindo (clima positivo)”, diz ele.

Dito isso, Brakenridge aponta que as emissões de gases de efeito estufa são apenas um componente do impacto ecológico. “Todo o uso da terra terá um impacto nos ecossistemas, incluindo a saúde do solo, a qualidade e quantidade da água e a biodiversidade. Esses desafios não são específicos da Nova Zelândia, eles ocorrem globalmente.”

O objetivo é que, com o ZQRX, haja agora uma ferramenta que produtores e marcas podem usar para medir esse impacto facilmente e, em seguida, agir sobre ele – para regenerar ainda mais ou mitigar qualquer dano.

Ao usar o termo regenerativo, é importante defini-lo, especialmente porque existem várias definições globalmente. Brakenridge diz o seguinte:

“Na ZQRX, nossa definição de regeneração abrange, além de um fator singular, como emissões de carbono ou a saúde do solo. Nossa plataforma foi projetada para reconhecer a natureza holística da agricultura, com uma abordagem única e baseada em resultados que apoia o bem-estar do meio ambiente, dos animais e das pessoas. Para nós, a regeneração é uma mentalidade de melhoria contínua, não é prescritiva ou dependente de um conjunto específico de práticas, mas focada na capacidade de alcançar e validar resultados ecológicos e sociais”.

Essencialmente, é um trabalho em andamento e que olha para a fazenda como um todo. A pergunta é: isso poderia se tornar a plataforma de lã regenerativa para muitas outras marcas? Brakenridge acredita que sim.

Compartilhe esta publicação: