Exportação de óleo vegetal da Ucrânia pode ser interrompida até junho, diz Strategie Grains

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters

Uma interrupção na produção e exportação de óleo vegetal na Ucrânia devido à guerra com a Rússia pode continuar até junho, com retomada gradual a partir de julho

Acessibilidade


Uma interrupção na produção e exportação de óleo vegetal na Ucrânia devido à guerra com a Rússia pode continuar até junho, com retomada gradual a partir de julho, aumentando as tensões de oferta nos mercados europeus de oleaginosas, disse a consultoria Strategie Grains.

A Rússia e a Ucrânia são grandes exportadores de cereais e oleaginosas e respondem por cerca de 80% das exportações globais de óleo de girassol.

Em uma análise anterior, a Strategie Grains havia feito uma suposição inicial de uma interrupção de um mês nas exportações de oleaginosas ucranianas. Mas agora, assim como outros analistas, vê uma interrupção prolongada.

“Os danos nas instalações industriais, logísticas e portuárias são muito significativos em grande parte do leste do país”, disse a Strategie Grains sobre a Ucrânia em um relatório mensal sobre oleaginosas.

A consultoria reduziu sua previsão de importações de óleo de girassol da União Europeia –das quais quase 90% costumam vir da Ucrânia– em quase 800.000 toneladas, para cerca de 1,7 milhão de toneladas para 2021/22 e 2022/23.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A consultoria reduziu sua previsão de estoques de colza da UE – a principal oleaginosa do bloco – no final da temporada 2021/22 em junho para 700.000 toneladas, de 800.000 toneladas.

Em produtos para alimentação animal, a consultoria reduziu sua estimativa de importações da UE de farelo de girassol da Ucrânia nesta temporada em quase 400.000 toneladas, para 604.000 toneladas.

Já a previsão para produção de colza da UE 2022/23 foi mantida em 18,2 milhões de toneladas, um aumento de cerca de 7% no ano.

Compartilhe esta publicação: