Indonésia surpreende mercados ao ampliar limites para exportação de óleo de palma

O anúncio inverteu a declaração do ministro um dia antes, em que ele havia dito que a proibição de exportação cobriria apenas a oleína de palma refinada, branqueada e desodorizada.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Willy Kurniawan/Reuters
Willy Kurniawan/Reuters

Plantação de óleo de palma ao lado de uma floresta queimada perto de Banjarmasin, na província de Kalimantan do Sul, Indonésia

Acessibilidade


A Indonésia ampliou o escopo de sua proibição de exportação de matérias-primas para óleo de cozinha para incluir óleo de palma bruto e refinado, disse o ministro-chefe da Economia do país hoje (27), deixando os mercados em choque com a última reversão de política.

O anúncio inverteu a declaração do ministro um dia antes, em que ele havia dito que a proibição de exportação cobriria apenas a oleína de palma refinada, branqueada e desodorizada.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A mudança estava “em linha com a decisão do presidente e depois de levar em conta o feedback e as opiniões das pessoas”, disse Airlangga Hartarto em um breve comunicado.

O presidente, Joko Widodo, disse em um comunicado separado que a necessidade das pessoas por alimentos acessíveis superou as preocupações com a receita por enquanto.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Uma vez atendidas as necessidades domésticas, é claro que vou suspender a proibição de exportação porque sei que o país precisa de impostos,… câmbio,… um superávit na balança comercial, mas atender às necessidades básicas da população é uma prioridade mais importante”, disse ele.

Jokowi, como o presidente é popularmente conhecido, disse que a Indonésia tem capacidade suficiente para atender a demanda doméstica, e que é “irônico” que o país esteja enfrentando escassez de óleo de cozinha.

Os mercados de óleo de palma ficaram nervosos antes da proibição e a Indonésia enviou navios e pessoal da Marinha em um esforço para impedir remessas ilegais.

As novas regras deveriam entrar em vigor à meia-noite, no horário local, e a Marinha e outras agências foram instruídas a intensificar as patrulhas nas águas indonésias para garantir o cumprimento, disse o porta-voz da Marinha Julius Widjojono.

Os contratos futuros de óleo de palma na bolsa da Malásia subiram 9,8% na quarta-feira, com alguns participantes do mercado temendo que os exportadores da Indonésia, o maior produtor de óleo de palma do mundo, não pudessem colocar seus produtos a bordo dos navios antes do início da proibição.

Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

Os futuros de óleo de soja dos EUA saltaram mais de 4% para um recorde depois que a Indonésia estendeu a proibição para incluir o CPO.

Não ficou claro se as empresas de óleo de palma foram informadas da última mudança de política.

Fontes da indústria e traders, que pediram anonimato devido à sensibilidade da questão, disseram estar chocados com o último desenvolvimento.

“É uma medida drástica para conter os preços e esperamos que tenha o efeito pretendido em um curto período e evite prejudicar a indústria”, disse uma fonte da indústria de palma.

Um regulamento do Ministério do Comércio divulgado na quarta-feira disse que os exportadores que obtiveram a declaração alfandegária até 27 de abril ainda podem enviar seus produtos.

As restrições da Indonésia elevaram os preços globais do óleo comestível, já que a oferta já estava sufocada por fatores como seca e escassez após a invasão russa da Ucrânia, grande produtor agrícola.

A proibição da Indonésia às exportações de óleo de palma não deve durar mais de um mês devido à infraestrutura limitada para armazenar o óleo excedente e à crescente pressão dos compradores para retomar os embarques, disseram autoridades do setor.

A proibição permaneceria em vigor até que os preços do óleo de cozinha a granel caíssem para 14.000 rúpias (0,9720 dólar) por litro, disse Airlangga.

Em Jacarta, os preços do óleo de cozinha a granel foram oferecidos em cerca de 19.000-20.000 rúpias (1,32 a 1,39 dólar) na quarta-feira, e em outras regiões os preços podem ser mais altos, disse Reynaldi Sarijowan, alto funcionário da tradicional associação de comerciantes do mercado.

Compartilhe esta publicação: