Usina de cana-de-açúcar faz primeira emissão de certificado de gás renovável

Com 13,7 milhões de toneladas processadas por safra, transação verde da Adecoagro mostra um mercado promissor para o agro brasileiro.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Usina de Ivinhema, em Mato Grosso do Sul, é uma das três unidades da companhia

Acessibilidade


A Adecoagro, empresa de alimentos e produção de energia renovável, anunciou hoje (5) a primeira transação de GAS-REC (Certificados de Gás Natural Renovável), para a finlandesa Metso Outotec. Foram emitidos 25 mil certificados na primeira negociação, que correspondem a 1 milhão de BTU por certificado (equivalentes a 29,4 metros cúbicos de metano).

A unidade de biogás da Adecoagro, instalada na Usina Ivinhema, que fica no município de mesmo nome em Mato Grosso do Sul, em parceria com a Methanum, foi a primeira usina do Brasil a ser certificada pelo Instituto Totum no Programa de Certificação de Gás Natural Renovável. O programa faz o rastreamento do produto e assegura que não existe dupla-contagem (nem duplo beneficiário) do atributo ambiental do biogás ou biometano. A empresa produz açúcar, etanol e faz cogeração de energia elétrica. Além da unidade de Ivinhema, há outra no município de Angélica, mais a Usina Monte Alegre, em Minas Gerais. A capacidade de moagem é de 13,7 milhões de toneladas de cana por safra.

LEIA TAMBÉM: Copersucar lidera nos créditos de descarbonização, com a marca de 5 milhões de CBios

“Realizamos a primeira transação de Créditos de Descarbonização, os CBIOs, na B3 e, agora, a primeira comercialização de certificados de GAS-REC”, diz Renato Junqueira Santos Pereira, vice-presidente de Açúcar, Etanol e Energia da Adecoagro no Brasil. “Além do potencial de expansão do programa, que neste momento utiliza cerca de 4% da produção de biogás da unidade, desenvolvemos uma estratégia que contribui diretamente com a proposta assinada por mais de 100 países, incluindo o Brasil, na COP26, de reduzir em até 30% as emissões de metano (CH4) entre 2020 e 2030.”

Divulgação

Renato Junqueira Santos Pereira, da Adecoagro no Brasil, diz que o potencial é de crescimento

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A fabricação de biogás na unidade é feita a partir da vinhaça concentrada, resíduo da moagem da cana-de-açúcar. A vinhaça é destinada a um aquecedor que troca calor com a água da turbina de condensação, gerando menor consumo de vapor e uma exportação de energia adicional de 6 mil MWh/ano. A empresa conta ainda com um acordo com a GEF Biogás Brasil, liderado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e implementado pela UNIDO (Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial).

“Empresas consumidoras de gás estão em busca de certificados de origem que atestem sua contribuição para a produção de biocombustíveis e o GAS-REC tem esse objetivo: diminuir a pegada de carbono das empresas consumidoras”, afirma Fernando Giachini Lopes, diretor do Instituto Totum, idealizador do programa e responsável pela certificação.

Felipe Maldonado Antunes, diretor de meio ambiente da Metso Outotec Finland, diz que atualmente 90% do consumo global de eletricidade da companhia são cobertos por Certificados de Energia Renovável (REC, iREC e GO). Porém, esta é a primeira iniciativa GAS-REC. “A expectativa é muito positiva, considerando as reduções das nossas emissões globais de CO2”, diz ele. A Metso atua em 50 países nos setores de processamento de minerais, agregados e refino de metais.

Compartilhe esta publicação: