Áreas de milho, café e cana do Brasil escapam de geadas

Na maioria das áreas, as temperaturas não caíram para o ponto em que geadas severas podem se formar sobre as plantações

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Jose Roberto Gomes/Reuters
Jose Roberto Gomes/Reuters

Cafezal em São Miguel da Palha

Acessibilidade


Geadas amplas que poderiam afetar lavouras de milho do Paraná e de cana e café do Sudeste não se concretizaram hoje (18), com o registro do fenômeno apenas pontualmente e sem impacto, segundo meteorologistas.

Na maioria das áreas, as temperaturas não caíram para o ponto em que geadas severas podem se formar sobre as plantações, disseram eles, acrescentando que ainda havia uma pequena chance de o atual sistema trazer geadas esta semana.

Leia mais: Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

“Tivemos alguns pequenos registros de geadas pontuais em regiões extremamente elevadas, tanto no Paraná quanto no sul de Minas, nas áreas de café… Mas foram tão insignificantes que até os relatos estão sendo quase que inexistentes”, disse Marco Antônio dos Santos, agrometeorologista da Rural Clima.

“Nada que tenha danificado de forma abrangente”, acrescentou Celso Oliveira, da Somar Meteorologia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os contratos futuros de café arábica em Nova York caíram até 4% nesta quarta-feira, diante dos menores riscos de danos por geadas no país que é o maior produtor mundial.

As preocupações com geadas mais severas já haviam sido amenizadas na terça-feira, quando agências meteorológicas, incluindo a Rural Clima, mostraram que o frio trazido pela massa de ar polar era menos intenso do que havia sido previsto anteriormente.

Segundo o meteorologista da Somar, as simulações atuais foram apresentando frio menos intenso do que o esperado.

Mas Oliveira disse que ainda havia uma pequena possibilidade de geadas leves esta semana, com poucas chances de resultar em danos aos campos de café, cana-de-açúcar ou milho.

Estações meteorológicas gerenciadas pela Cooxupé, a maior cooperativa de café e maior exportadora do Brasil, mostrou que as temperaturas mais baixas estavam acima do ponto de congelamento em todo o Sul de Minas Gerais, principal cinturão cafeeiro do Brasil.

Para os próximos dias, o frio deve persistir com a entrada de uma nova de massa de ar polar, que deverá ser monitorada, uma vez que pode trazer geadas leves, disse Santos, da Rural Clima.

“A partir do dia 25, entra essa massa de ar polar e leva chuvas a grande parte das regiões produtoras. Do meio para o fim da semana que vem, há previsão de retorno das chuvas para grande parte do Sul do Brasil”.

Geadas no ano passado impactaram fortemente lavouras de milho, café e cana-de-açúcar, colaborando para elevar os preços das commodities.

Compartilhe esta publicação: