CMNP compra Usina do Vale do Paraná e eleva capacidade de moagem de cana a 7 milhões de toneladas

Este é o segundo grande acordo envolvendo ativos do setor anunciado nesta semana.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Marcelo Texeira/Reuters
Marcelo Texeira/Reuters

Com compra de usina, a CMNP eleva sua capacidade de moagem de cana-de-açúcar em 2 milhões de toneladas

Acessibilidade


A CMNP (Companhia Melhoramentos Norte do Paraná) fechou um acordo para compra da usina sucroalcooleira Vale do Paraná, localizada em Suzanápolis (SP).

Com a aquisição, a CMNP eleva em 2 milhões de toneladas sua capacidade de moagem de cana-de-açúcar, que atualmente é de 5 milhões de toneladas em duas unidades industriais em Jussara (PR) e Nova Londrina (PR).

Leia mais: Forbes vai reunir lideranças do agro em evento exclusivo em São Paulo

O valor da transação não foi divulgado. Este é o segundo grande acordo envolvendo ativos do setor de cana anunciado nesta semana. Anteontem (4), a Jalles Machado informou contrato para a compra da Santa Vitória Açúcar e Álcool, em negócio que incluiu unidade de cogeração de energia por R$ 704,9 milhões.

A operação com os atuais donos da Vale do Paraná, o grupo colombiano Manuelita e o guatemalteco Pantaleon, foi fechada nesta semana, segundo comunicado da companhia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A CMNP afirmou ainda que o investimento na Vale do Paraná agregará “conhecimento técnico importante”, já que a usina possui 85% de seus canaviais irrigados, o que contribui para mitigação de riscos climáticos e resulta em “consistente aumento de produtividade”.

O negócio está sujeito à aprovação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e de outras condições precedentes.

“Consumada a operação, a CMNP assumirá definitivamente a condução da Vale do Paraná e dará continuidade a todos os compromissos estabelecidos, buscando explorar a sinergia entre as empresas, promovendo a integração das três plantas industriais”, diz a nota.

Compartilhe esta publicação: