Compass espera aprovação da compra da Gaspetro em alguns meses para gestão de portfólio

Após a aprovação do negócio pelo Cade, a companhia considera alienar participações em até 12 das 18 distribuidoras que compõem a Gaspetro

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Reuters/AmandaPerobelli
Reuters/AmandaPerobelli

A Compass Gás e Energia é uma empresa do grupo Cosan

Acessibilidade


A Compass Gás e Energia espera que o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) dê sua aprovação final para a compra de fatia de 51% da Petrobras na distribuidora Gaspetro em mais alguns meses, disse o presidente-executivo da subsidiária do grupo Cosan.

Segundo Nelson Gomes, após a aprovação do negócio pelo Cade, a companhia considera alienar participações em até 12 das 18 distribuidoras que compõem a Gaspetro, uma vez que a Compass, já dona da gigante Comgás, busca foco na alocação de capital e fará uma gestão do portfólio.

Anteriormente, a empresa já havia assinado contratos com terceiros para a alienação da potencial participação a ser detida em 12 distribuidoras de gás natural da Gaspetro.

A alienação ocorreria nas distribuidoras em que a Gaspetro detém fatias minoritárias.

“Dezenove distribuidoras, com a Comgás, é algo bastante grande, e gostamos de ter foco…”, disse Gomes, durante evento de investidores da Cosan.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A aprovação final do Cade deve vir após a superintendência-geral do órgão ter dado aval sem restrições para a operação, apesar de algumas contestações de grandes consumidores.

O executivo comentou ainda os efeitos da guerra para os negócios de gás natural, e destacou que o custo mais “desafiador” não vai inibir investimentos, considerando que o mundo busca segurança energética.

Ele também disse que a volatilidade do preço do gás natural devido à guerra tem atrasado a abertura do mercado livre.

“O cliente tem mais dificuldade de se tornar livre em ambiente volátil, é natural que clientes busquem contratos de prazos mais estendidos”, comentou.

Ele lembrou que muitos contratos que terminavam em 2021 foram renovados, estendidos até 2023 e 2024.

Mas o executivo acredita que, passada essa volatilidade, o mercado deve seguir na “direção correta, cada vez mais livre”.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: