Nutrien pode aumentar produção de potássio diante de sanções à Rússia e Belarus

A empresa pode chegar a produzir18 milhões de toneladas

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Agricultor mostra fertilizante antes de aplicação

Acessibilidade


A Nutrien, a maior empresa de fertilizantes do mundo, está avaliando mais aumentos na produção de potássio, uma vez que as sanções interrompam embarques da Rússia e da Belarus, disse o presidente-executivo da companhia, Ken Seitz.

Os preços de nutrientes agrícolas, como potássio e fosfato, dispararam à medida que as sanções contra a grande exportadora Rússia, por sua invasão da Ucrânia, interromperam os suprimentos já escassos.

Leia mais: Ministro vê “luta difícil” para Plano Safra, mas buscará R$300 bi

Os aumentos de preços levantaram preocupações sobre a escassez de alimentos, já que alguns agricultores aplicam menos fertilizantes enquanto os lucros de produtores como a Nutrien e a rival Mosaic aumentam.

A Nutrien está avaliando a duração do conflito na Ucrânia para determinar se há necessidade de aumentar a produção, disse Seitz.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Rússia e Belarus juntas responderam por mais de 40% das exportações globais de potássio no ano passado, um dos três nutrientes essenciais usados para aumentar o rendimento das colheitas.

A empresa disse em março que planejava aumentar a produção de potássio em quase 1 milhão de toneladas este ano para cerca de 15 milhões de toneladas, em resposta à incerteza do fornecimento da Europa Oriental.

A empresa pode expandir ainda mais a produção para 18 milhões de toneladas sem um grande investimento de capital em lugares em Saskatchewan, embora sejam necessários gastos maiores para chegar entre 18 milhões a 23 milhões de toneladas, disse Seitz.

“Pretendemos aumentar nossos volumes, mas não parar em 18 milhões de toneladas”, disse Seitz em entrevista.

A Nutrien estima que a produção da Rússia cairá de 2 milhões a 6 milhões de toneladas este ano em relação à sua capacidade operacional de cerca de 15 milhões de toneladas. Já a produção da Belarus cairá cerca de 6 milhões a 8 milhões de toneladas de sua capacidade de cerca de 13 milhões, disse a empresa.

A Mosaic disse separadamente que está explorando iniciativas para melhorar o desempenho das fábricas para aumentar a produção de fertilizantes o mais rápido possível. Ela também afirmou que as iniciativas podem aumentar sua produção de potássio em cerca de 1,5 milhão de toneladas até o final de 2023, acrescentando que espera que o déficit global de potássio dure de dois a quatro anos.

(Reportagem de Tom Polansek em Chicago; reportagem adicional de Ruhi Soni em Bangalore)

Compartilhe esta publicação: