Exportação de milho do Brasil deve ganhar ritmo com colheita

Segundo levantamento da Pátria AgroNegócios, a colheita está bem avançada ante a média de 8,33% para esta época do ano e em ritmo muito à frente do visto no ano passado (2,82%)

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

A maioria dos estados já está colhendo milho, com o Mato Grosso liderando os trabalhos

Acessibilidade


A colheita da segunda safra de milho do Brasil na temporada 2021/22 atingiu 14,72% da área cultivada até hoje (17), quase o dobro o índice histórico médio para o período, antecipação esta que deve favorecer as exportações do país, avaliou a Pátria AgroNegócios.

Segundo levantamento da consultoria, a colheita está bem avançada ante a média de 8,33% para esta época do ano e em ritmo muito à frente do visto no ano passado (2,82%), quando os trabalhos atrasaram nos principais produtores.

A maioria dos estados já está colhendo milho, com o Mato Grosso liderando os trabalhos, com mais de um quarto da área já colhida, disse a Pátria.

Paraná e Minas Gerais têm cerca de 3% da área já colhida.

Para o diretor da Pátria, Matheus Pereira, as exportações tendem a ganhar ritmo, à medida que a oferta está mais abundante, enquanto maiores volumes vão ficando disponíveis. O Brasil deverá colher uma safra recorde em 2021/22.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“A exportação está sendo mais competitiva e eficiente no atual momento. A colheita acelerada está reabrindo a janela de embarques com mais velocidade também! Ainda não estamos no ritmo de vendas de milho para exportação como tivemos no recorde de 2019, porém atualmente seguimos na segunda melhor campanha de abertura das exportações do milho brasileiro”, disse Pereira.

Os embarques de milho do Brasil ficam mais fortes no segundo semestre.

Segundo o analista, caso tradings continuem com esta maior eficiência, “deveremos acelerar os embarques e vendas, podendo ter a capacidade de alcançarmos o recorde exportado de 2019, que foi logo acima das 41 milhões de toneladas”.

O Brasil pode voltar a figurar como o segundo exportador global de milho em 2022, contando com uma grande safra e forte demanda de países que antes dependiam da Ucrânia para suprimento.

A safra total de milho do Brasil 2021/22 está estimada em recorde de 115,2 milhões de toneladas, de acordo com levantamento da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento).

Mato Grosso

A colheita da milho de Mato Grosso na segunda safra 2021/22 atingiu até esta sexta-feira 26,97% da área semeada, avanço semanal de 10,75 pontos percentuais, informou o Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária).

A colheita de milho no maior produtor de grãos do Brasil está adiantada ante a média histórica para o período (13,90% da área), segundo o instituto ligado aos produtores, após uma primeira safra de soja também antecipada.

Na temporada passada, quando a soja atrasou, produtores tinham colhido apenas 3,91% da área de milho.

Apesar de alguns episódios de seca, o Mato Grosso ainda deverá colher uma safra recorde de cerca de 39 milhões de toneladas, contando com um aumento da área plantada devido aos bons preços pagos pelo cereal, segundo levantamento mais recente do Imea.

Compartilhe esta publicação: