Nutrien aumentará produção de potássio em meio à escassez global

A Rússia e Belarus são o segundo e o terceiro maiores produtores mundiais da commodity, enquanto o Canadá é o produtor nº 1

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Nayan Sthankiya/Reuters
Nayan Sthankiya/Reuters

Armazén da Nutrien

Acessibilidade


A canadense Nutrien, maior produtora de fertilizantes do mundo, disse hoje (09) que planeja aumentar a produção de potássio para 18 milhões de toneladas anuais até 2025 para mitigar a incerteza da oferta da Europa Oriental.

Os preços do potássio, um importante insumo usado em fertilizantes nitrogenados, dispararam desde que as sanções ocidentais foram impostas contra a Rússia e Belarus após a invasão da Ucrânia por Moscou, afetando um mercado já apertado.

A Rússia e Belarus são o segundo e o terceiro maiores produtores mundiais da commodity, enquanto o Canadá é o produtor nº 1.

“O desafio de alimentar um mundo em crescimento nunca foi tão claro, pois as restrições de oferta global contribuíram para os preços mais altos das commodities e aumentaram as preocupações com a segurança alimentar global”, disse Ken Seitz, presidente e CEO interino da Nutrien.

“Vemos potencial para força de vários anos nos fundamentos do mercado de insumos agrícolas e agrícolas.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O aumento na produção de potássio representa uma alta de mais de 5 milhões de toneladas, ou 40%, em relação à produção em 2020, disse a Nutrien.

O aumento de potássio será por meio da capacidade de baixo custo existente da Nutrien, que deverá ser adicionada em um ritmo anual semelhante ao observado nos últimos dois anos.

A empresa acrescentou que seus volumes anuais de vendas de nitrogênio podem aumentar para cerca de 13,5 milhões de toneladas até 2027. A Nutrien também disse que planeja recomprar mais 2 bilhões de dólares em ações. Espera-se que a recompra aumente os retornos totais da empresa aos acionistas por meio de dividendos e recompras de ações para cerca de 5 bilhões de dólares em 2022.

Compartilhe esta publicação: