Agricultura indoor é janela para progresso, promessas e realidades

Chamada de “agricultura de ambiente controlado", a modalidade vem crescendo em todo o mundo, mas há desafios para que ganhe escala e competitividade

Steven Savage
Compartilhe esta publicação:
 AFP VIA GETTY IMAGES
AFP VIA GETTY IMAGES

AeroFarms, localizada em Newark, New Jersey, produzindo hortaliças

Acessibilidade


Na semana passada, a cidade de Nova York foi a anfitriã do Indoor AgTech Innovation Summit, um evento que atraiu 600 participantes, contou com 90 palestrantes e incluiu representantes de 42 países. Para um setor com um histórico de hipérboles sobre seu papel na alimentação do mundo, as apresentações e discussões durante este evento apresentaram um equilíbrio geral de otimismo e pragmatismo.

Muitos tipos diferentes de instalações “interiores” estavam sendo considerados nesta reunião, desde estufas básicas até “fazendas verticais” de vários níveis do tipo retratado acima. Os players da indústria preferem chamar seu setor de “agricultura de ambiente controlado” ou CEA (controlled environment agriculture). Isso contrasta com a agricultura convencional, que tem a vantagem de energia solar e chuva gratuitas, mas que também deve lidar com todas as variáveis ​​associadas ao clima e às limitações determinadas pela geografia.

LEIA MAIS: Vinho da Serra da Mantiqueira é o melhor do Brasil em prêmio mundial

As origens da CEA se estendem pelo menos até os séculos XVII e XVIII, quando os “laranjais” na França eram cobertos no inverno para proteger as árvores cítricas cultivadas em vasos. Nas últimas oito décadas, os holandeses têm sido líderes em tecnologia na indústria de estufas cada vez mais sofisticada e internacional. Nos últimos anos, a CEA vem se expandindo em todo o mundo e tendendo a um maior grau de controle das condições de crescimento, incluindo luz, temperatura, umidade, água e concentração de dióxido de carbono. A fertilização nesses sistemas é cada vez mais micro gerenciada em um ambiente livre de solo, como “hidroponia” ou “aeroponia”. Muitas tarefas e controles de processo são automatizados.

Esta é uma indústria em expansão no país, com 7-8% de crescimento anual projetado para estufas e 15% ao ano para agricultura vertical. As estufas são comumente usadas para produzir folhas verdes, tomates, pimentões e pepinos. Os sistemas agrícolas verticais de mais alta tecnologia estão atualmente focados em verduras e ervas. Mesmo assim, diz-se que o mercado de saladas e verduras embaladas está na faixa de US$ 8,7 bilhões e deve crescer entre US$ 13 bilhões e US$ 25 bilhões nos próximos 5 anos e a CEA provavelmente representará uma participação crescente.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Vantagens

Sistemas de cultivo altamente controlados são caros para construir e operar, mas têm várias vantagens operacionais em relação à agricultura ao ar livre:

  1. Produção consistente independente do clima
  2. Produção agrícola substancialmente maior por unidade de área de terra
  3. Uso altamente eficiente de água e fertilizantes
  4. Vantagens de segurança alimentar por meio da proteção contra fontes ambientais de patógenos humanos
  5. Exclusão da maioria das pragas agrícolas
  6. Novo apelo para os consumidores

Essas instalações podem ser construídas mais próximas de mercados distantes das regiões tradicionais de produção de produtos. Isso reduz o tempo e o custo do transporte, além de entregar um produto mais fresco, o que reduz o desperdício de alimentos no varejo e na casa do consumidor.

Os players de marketing on-line/entrega em domicílio do nordeste dos EUA, Fresh Direct, que já encurtou a entrega do campo ao consumidor para produtos da costa oeste, vê uma vantagem adicional de 4 a 7 dias das fontes regionais da CEA. Os produtores indoor também podem acelerar e desacelerar a produção com informações sobre flutuações de demanda de profissionais de marketing que estão recebendo pedidos on-line.

Outros Drivers

Há também tendências globais que favorecem a expansão da CEA, incluindo as mudanças climáticas. Nos EUA, a seca prolongada está comprometendo a produção agrícola nas principais regiões de cultivo, como a Califórnia, e as mudanças climáticas estão interrompendo microclimas de cultivo historicamente importantes em muitas regiões. Como disse o palestrante da reunião Indoor AgTech da indústria de vegetais, há uma necessidade de “à prova de futuro” do negócio de produtos.

As recentes interrupções na cadeia de suprimentos e as limitações comerciais causadas por conflitos estão impulsionando um desejo já crescente de “autonomia alimentar”, particularmente em países ou regiões altamente dependentes de importações. A CEA está sendo ativamente promovida por governos no Oriente Médio e em Cingapura como uma estratégia para superar suas limitações particulares de terra e/ou água para a produção local de alimentos.

Desafios

O setor CEA, representado no evento de Nova York, também reconheceu vários desafios importantes. A energia foi descrita como o “elefante na sala” ou o “calcanhar de Aquiles” da agricultura indoor de alta tecnologia. A energia para iluminação já foi amplamente otimizada através do uso de lâmpadas LED que produzem apenas os comprimentos de onda mais importantes para a fotossíntese das plantas. O HVAC (Heating, Ventilating and Air Conditioning) é um importante dissipador de energia para lidar com a necessidade de aquecimento, resfriamento e controle de umidade.

Geography Photos/Universal Images Group/Getty Images

Horticultura intensiva cultivando tomates em estufas, perto de Schipluiden, Holanda

Mesmo com menos combustível usado para transporte, essa indústria sempre será bastante intensiva em energia e, portanto, seus objetivos são otimizar o uso de energia por produto e fontes renováveis. A previsibilidade de sua demanda é uma vantagem de negociação com as concessionárias, e há um forte interesse no acesso a “micro-redes”. Algumas empresas neste espaço compram créditos de carbono para atingir as metas de pegada.

Assim como em muitas indústrias, o custo da mão de obra e a disponibilidade podem ser problemas para a CEA, pois sempre haverá funções importantes que não podem ser automatizadas. No entanto, foi relatado que há muitas pessoas interessadas em se envolver por causa das conexões de alta tecnologia e alimentação.

Outros desafios que foram discutidos incluíram a educação dos proprietários e a permissão de obstáculos. Para uma expansão eficiente, há uma necessidade de modularidade no projeto. Há também a necessidade de transplantar a “cultura” dos funcionários operacionais para novas instalações, a fim de evitar a repetição do aprendizado.

Marketing

Um lembrete repetido por vários dos palestrantes foi que “os consumidores compram comida, não tecnologia”. As características de sustentabilidade da história têm alguma ressonância, mas isso difere por geração e pode ser difícil de comunicar. O local tem um forte apelo, mas o frescor, a qualidade do sabor/textura e o prazo de validade parecem ser os maiores pontos de venda dos produtos CEA. Outra linha comum foi o reconhecimento de que o custo no varejo precisa ser razoável e que os prêmios de qualidade só podem ir até certo ponto.

No varejo, há muito o que comunicar nos rótulos de embalagem. Códigos QR e sites podem ajudar, mas o marketing online para entrega em domicílio abre as portas para mais conteúdo informativo, bem como feedback do consumidor. Inicialmente, os consumidores podem se sentir desconfortáveis ​​com a ideia de comprar produtos frescos sem que possam escolher in loco e com base na aparência, cheiro ou toque, mas uma vez que experimentam e têm uma experiência positiva, podem se tornar clientes fiéis que dão feedback e até participam on-line grupos de discussão.

Diversificação futura

As culturas adicionais mencionadas nesta reunião, que estão em fase de pesquisa ou desenvolvimento inicial, incluem morangos, mirtilos, feijões e ervilhas, tubérculos jovens e batatas (pelo menos a cultura de sementes para plantio ao ar livre). O lúpulo é de interesse porque seus microclimas de crescimento ideais estão sendo comprometidos pelas mudanças climáticas.

BLOOMBERG FINANCE LP
BLOOMBERG FINANCE LP

Fazenda vertical Ferme d’hiver em Brossard, Quebec, Canadá

Wasabi é interessante, pois muito do que é vendido hoje é um substituto falso para esse sabor. Também há interesse em microalgas para “superalimentos” e há um desenvolvimento muito ativo para plantas medicinais. Vários palestrantes que abordaram culturas alternativas enfatizaram a importância da genética – de melhoramento de variedades que são adaptadas para aproveitar ao máximo as condições controladas. Ironicamente, para uma indústria focada em tecnologia, tecnologias genéticas avançadas como transgênicos estavam claramente “fora da mesa” e mesmo as abordagens mais recentes, como edição de genes, dificilmente seriam empregadas.

Perspectivas futuras

A reunião terminou com uma “Sessão Crystal Ball”, perguntando “como a indústria se desenvolverá em 5-10 anos”. Uma expectativa desse olhar sobre o futuro era a seleção de vencedores, entre o conjunto atual de jogadores. Observou-se que muitas indústrias orientadas para a inovação passam por um estágio de consolidação semelhante. Ainda existem empresas à procura de financiamento de risco, mas no geral a indústria está ultrapassando essa fase.

Em termos de crescimento, o setor de estufas estava previsto para crescer a uma taxa de 7-8% ao ano e o setor agrícola vertical em 15% ao ano. O negócio de saladas embaladas foi projetado para sair de seu valor atual de US$ 8,7 bilhões para entre US$ 13 e 25 bilhões em cinco anos. Mais lavouras são projetadas para serem transportadas para dentro de casa, especialmente em resposta à escassez de água na Califórnia. Mesmo assim, houve acordo de que os custos terão que ser reduzidos para a operação da CEA, sendo os custos de mão de obra e energia particularmente desafiadores.

* Steven Savage é colunista da Forbes EUA. É biólogo por Stanford e doutor pela Universidade da Califórnia, em Davis.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: