Agtech Sima recebe aporte para crescer no Brasil

Fundos investiram R$ 10,7 milhões, valor que irá para novos negócios em monitoramento de lavouras e contratações

Redação
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Da esq. para a dir: Geronimo Oliva, Agustín Rocha, Mauricio Varela, Andrés Yerkovich e Pablo Etchanchu

Acessibilidade


Na contramão da tendência de um mercado mais enxuto para as startups, a agtech Sima, que nasceu em Rosário, na Argentina, em 2015, e hoje está em oito países da América Latina, anunciou que a ordem é contratar, visando sua expansão no Brasil e o desenvolvimento de novos modelos de negócios

A agtech acaba de encerrar uma rodada de investimentos de US$ 2 milhões (R$ 10,7 milhões) que serão utilizados também para fortalecer sua posição no México.

LEIA MAIS: Lista da Forbes reúne 20 mulheres inovadoras nas agtechs

“Isso representa um feito muito importante no atual contexto do mercado de inovação mundial”, disse Andres Yerkovich, CEO da agtech e um dos fundadores, juntamente com Geronimo Oliva, Agustín Rocha, Mauricio Varela e Pablo Etchanchu. A Sima oferece uma plataforma para monitorar, controlar e analisar dados de lavouras. Atualmente são 5 milhões de hectares monitorados entre usuários pagos.

Os investidores incluem fundos como Xperiment Ventures, que liderou a rodada, Sancor Seguros Ventures, VX Ventures e Bridge Partners, entre outros. A Xperiment Ventures, por exemplo, é um fundo agtech que traz conhecimento e experiência em escalabilidade de produtos e tecnologia, além de uma compreensão profunda do ecossistema agro. “Por outra parte, a Sancor Seguros Ventures vem para ajudar no desenvolvimento de um modelo de negócios pensado em reduzir o risco dos produtores rurais, enquanto VX Ventures será o partner estratégico para modelos de negócios focados em produção sustentável, tanto no Brasil como na Argentina. Bridge Partners está sendo um player estratégico no softlanding no México”, diz Yerkovich.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Divulgação
Divulgação

Um das linhas de atuação é o mapeamento de pragas, como a cigarrinha do milho

A agtech, que hoje tem 30 colaboradores, planeja dobrar esse número até dezembro. “Queremos replicar o sucesso da agtech na Argentina, onde somos o principal fornecedor de agricultura digital” disse Yerkovich. Atualmente, a Sima monitora cerca de 10% da área produtiva total da Argentina. Para o ciclo 2021/22, a superfície agrícola projetada para cultivo no país foi de 38,7 milhões de hectares.

Em busca dos algoritmos

A agtech deu seus primeiros passos em 2013, quando Oliva e Varela, na época estudantes de agronomia, realizaram um projeto de monitoramento de pragas. Yerkovich, engenheiro em informática, se juntou a eles para tirar o projeto do papel. Um ano depois, Rocha, que também é agrônomo, e Pablo Etchanchu, na informática, reforçaram o time que deu origem à agtech.

Atualmente, a Sima, juntamente com a Universidade de Maryland, dentro do projeto NASA Harvest, está trabalhando na otimização de algoritmos que permitam estimar a produtividade das culturas alguns meses antes de serem colhidas, com mais de um 80% de eficácia. A agtech também trabalha em conjunto com grandes empresas, entre elas a Bayer. Por exemplo, em uma rede de monitoramento da principal praga de milho neste momento: a cigarrinha. A cigarrinha-do-milho é considerada uma das mais severas pragas na América Latina, nos dias atuais . No Brasil, a praga vem atacando as lavouras há cerca de oito safras e pode levar a perdas de 100% do cultivo.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: