Após ataque, Rússia diz que acordo de grãos permanece válido

A escassez global de trigo e o aumento dos preços da energia na Europa são alguns dos efeitos de maior alcance da invasão da Ucrânia pela Rússia

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Valentyn Ogirenko/Reuters
Valentyn Ogirenko/Reuters

Com a guerra entrando em seu sexto mês, os militares ucranianos relataram bombardeios russos generalizados no leste da Ucrânia durante a noite

Acessibilidade


A Rússia ignorou nesta segunda-feira alerta ocidental e ucraniano de que um ataque com mísseis de suas forças na cidade portuária ucraniana de Odessa poderia inviabilizar um acordo mediado pela Organização das Nações Unidas (ONU) que visa aliviar a escassez global de alimentos com a retomada das exportações de grãos a partir da região do Mar Negro.

O Kremlin disse que o ataque de sábado –denunciado pelo presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, como “barbárie”– tinha como alvo apenas a infraestrutura militar e não afetará os planos de exportação de grãos no acordo fechado na sexta-feira em Istambul.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A escassez global de trigo e o aumento dos preços da energia na Europa são alguns dos efeitos de maior alcance da invasão da Ucrânia pela Rússia, ameaçando milhões de países mais pobres com fome e provocando temores na Europa sobre o fornecimento de aquecimento neste inverno.

Com a guerra entrando em seu sexto mês, os militares ucranianos relataram bombardeios russos generalizados no leste da Ucrânia durante a noite. Disseram que Moscou continua se preparando para um ataque a Bakhmut na região industrial de Donbas, que a Rússia pretende tomar em nome de representantes separatistas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Perto de Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia localizada no nordeste do país, três pessoas ficaram presas sob os escombros de um centro cultural na cidade de Chuhuyiv e uma quarta pessoa ficou ferida, disse o gabinete de Zelenskiy.

A Ucrânia afirmou nesta segunda-feira que suas forças usaram sistemas de foguetes Himars fornecidos pelos Estados Unidos para destruir 50 depósitos de munição russos desde que receberam as armas no mês passado. A Rússia não comentou imediatamente, mas seu Ministério da Defesa disse que suas forças destruíram um depósito de munição para os sistemas Himars.

A Reuters não pôde verificar de forma independente as declarações russas ou ucranianas.

Exportações de grãos

O acordo de sexta-feira sobre exportações de grãos visa permitir a entrada e saída segura dos portos ucranianos, bloqueados pela frota russa do Mar Negro desde a invasão de Moscou em 24 de fevereiro. Uma autoridade da ONU chamou o acordo de “cessar-fogo de fato” para os navios e as instalações envolvidas.

Os militares ucranianos disseram que dois mísseis Kalibr disparados de navios de guerra russos atingiram a área de uma estação de bombeamento no porto e outras duas foram derrubadas por forças de defesa aérea. Eles não atingiram a área de armazenamento de grãos ou causaram danos significativos.

A Rússia disse que suas forças atingiram um navio de guerra ucraniano e uma loja de armas em Odessa com mísseis de precisão.

“Esses ataques estão ligados exclusivamente à infraestrutura militar”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, nesta segunda-feira.

“Eles não estão de forma alguma relacionados à infraestrutura que é utilizada para a exportação de grãos. Isso não deve afetar –e não afetará– o início dos embarques.”

Compartilhe esta publicação: