Combustível verde na aviação da UE ganha força no parlamento

De acordo com o texto aprovado, os fornecedores seriam obrigados a misturar um mínimo de 2% de combustível de aviação sustentável a partir de 2025

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Avião é visto por passageiros que esperam em sala de embarque
Christian Petersen Clausen/Getty Images

Parlamento ampliou a definição do que poderia ser um combustível “verde”.

Acessibilidade


O Parlamento Europeu apoiou hoje (7) regras históricas sobre combustível de aviação que estabelecem metas obrigatórias para a substituição do querosene por fontes de energia menos poluentes, mas ampliou a definição do que poderia ser um combustível “verde”.

Os requisitos, que se aprovados seriam inéditos no mundo, foram originalmente propostos pela comissão executiva europeia no ano passado para reduzir o impacto climático do setor de aviação, considerado responsável por até 3% das emissões globais.

De acordo com o texto aprovado, os fornecedores seriam obrigados a misturar um mínimo de 2% de combustível de aviação sustentável (SAF) no querosene a partir de 2025, subindo para 85% em 2050 – mais ambicioso do que a meta de 63% até 2050 originalmente proposta pela Comissão.

Nos termos da proposta original da Comissão, o SAF incluiria biocombustíveis obtidos a partir de resíduos reciclados e, em menor escala, sintéticos à base de hidrogênio ou combustíveis produzidos a partir de fontes de energia renováveis.

Mas a versão das regras aprovada pelo Parlamento Europeu estendeu a definição original de SAF da Comissão, adicionando combustíveis de carbono reciclado produzidos a partir de gás de processamento de resíduos e biocombustíveis produzidos a partir de gorduras animais ou destilados.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Antes da votação, o comissário de energia da União Europeia, Kadri Simson, pediu aos parlamentares que não ampliassem a definição de SAF e fossem cuidadosos com metas excessivamente ambiciosas.

Os parlamentares conseguiram alterar o texto no último minuto para excluir o uso de culturas alimentares e óleo de palma como SAFs, o que teria sido permitido em circunstâncias excepcionais no texto inicialmente preparado pelo Parlamento.

As regras serão agora apresentadas para aprovação pelos governos membros e pela Comissão da União Europeia.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: